sonhando, escrevendo e imaginando

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Um papel antigo

Encontrei, há dias, entre os papeis antigos do meu pai, uma carta, ou bilhete, uma confissão talvez, anónima, perdida entre recordações de um tempo que foi outro, uma voz de fantasma que se erguia no meio do pó do passado. O que o bilhete dizia, era o seguinte:
“Tantas vezes me tenho perguntado o que leva as pessoas comuns a quererem continuar a viver! Se o ideal é uma situação, em que não se esteja triste demais, nem alegre demais, o que encontram as pessoas que as motive a existir?
Eu, pelo menos, tenho os meus dias gloriosos de felicidade estonteante! Tenho dias em que me sinto tão esfusiante de alegria, que me apetece sair pelas ruas a beijar e abraçar toda a gente! Aqueles dias em que tudo à minha volta, parece pintado com cores douradas, tudo parece coberto por pós de ouro mágicos! Quase que consigo estender as mãos e apanhar as flores maravilhosas que tombam dos céus aos montes, só para me alegrar! Canto de manhã à noite, danço, faço planos mirabolantes, construo e reconstruo os meus castelos de areia na praia revolta que é a minha alma!
É bem verdade que depois há o preço a pagar: Aqueles outros dias em que me apetece desaparecer da face do mundo, fugir de tudo e de todos, e só parar de correr quando a ar me faltar e as forças me abandonarem. Alturas em que qualquer esforço é doloroso, e a mais pequena lembrança se transforma em torturas horríveis de suportar. Os dias que são todos negros e sem sol, e em que chove de manhã á noite nas ruas do meu coração! Aquelas ocasiões em que me encolho sobre mim, e não encontro posição para estar, num enroscamento miserável, à espera que a tormenta passe.
Mas, mesmo assim, acho que vale a pena. Acho que é um preço justo a pagar pelos momentos de felicidade. Se não fosse assim, será que a vida ia ser sempre cinzenta, nem boa, nem má? Equilibrada, certinha, monótona e sem sabor? Não por alguns dias, mas para sempre? Até ao fim, até ao último dos dias, sem sentir a febre da alegria, o entusiasmo da loucura que acende o sangue e me tira do sério? Como seguir com a vida de sempre, sem a certeza, que mais cedo, ou mais tarde, a felicidade lá está, à minha espera. Chamem-lhe loucura, chamem-lhe desvario, chamem-lhe doença, ou o que bem quiserem… É o que dá sabor à vida, é o que faz com que tudo valha a pena, é como uma viagem boa, como uma droga pura, como um carrossel de emoções! È a companhia fiel de tantos anos, a mais antiga amizade que nem o tempo, nem a distância apagam.
Como conseguem eles, os normais, os sãos de espírito, viver sem isso? Como se atrevem a dizer que são felizes na mesmice que é a sua existência? Sabem lá eles, o que há por detrás das fronteiras esbatidas da tristeza e da alegria? Sabem lá como pode bater o coração, quando a euforia nos enche a alma? Quando a razão, sempre tão aborrecida e exigente é banida de dentro de nós? Quando nos abandonamos de corpo e alma, a algo que nos ultrapassa, a algo que só se sente, não se explica?”
Li e não identifiquei o autor, ou autora. Só notei que a folha de papel, em que estava este escrito, era sem dúvida mais recente do que as outras. Notei também uma certa semelhança entre a caligrafia do bilhete, e uma outra, muito familiar, mas a que não consegui atribuir o autor. Pobre de quem o escreveu, devia ser uma alma sofredora, ou talvez não…

2 comentários:

  1. O que seria do nosso dia a dia se não tivéssemos como vc tão bem disse em seu texto este desequilíbrio da normalidade que nos deixa mais soltos, livres e esfuziantes perante a vida. E esta atitude são poucos os que a tem. São as pessoas mais sensíveis, de alma pura, aqueles que não cultivam o materialismo que cega com uma cortina grossa a visão mais bela da vida. Que bom que cultivas a alegria de viver a despeito de toda a dificuldade que passas! Que nunca percas essa dádiva de Deus. Texto muito inteligente. Parabéns e muitos beijos da amiga de sempre: Cristina

    ResponderEliminar
  2. Olá Gloria! Aqui é o Marcelo do Blog Positivo Pensamento!!
    Recebi vários comentários seus e agradeço por todos eles!! Muito obrigado!! você é uma pessoa muito positiva! só agora descobri que você tem um blog, que por sinal é muito bom!
    Sobre aquela postagem do Napoleon Hill, eu estou preparando uma série de 13 vídeos dele mas esta dando um trabalho.. então publiquei aquele sem querer.. mas vou publicar todos ao mesmo tempo assim que terminar!
    Se quiser falar comigo o meu e-mail é marcelo.toller@yahoo.com.br
    Muito obrigado! Abraço!

    ResponderEliminar