Mensagens

A mostrar mensagens de Abril, 2011

Pela varanda da cozinha

A minha mãe criou-nos, a mim e à minha irmã, a espreitar a vida por detrás do muro da varanda da cozinha. Lembro-me de que ficávamos as duas, debruçadas a olhar para o terraço do nosso prédio. Lá em baixo brincavam as outras crianças que moravam ao nosso lado, nos andares de cima, de baixo. Raparigas, rapazes, corriam, gritavam, riam, chamavam… Miúdos e miúdas das nossas idades, soltos e felizes na rua. Nós tínhamos instruções expressas de nos retirarmos para o fundo da varanda, se alguma das crianças reparasse em nós. Se levantassem os olhos para cima e nos vissem a espreitar, coisas terríveis poderiam acontecer, sendo que uma das piores era que, à noite, quando o nosso pai chegasse do trabalho, viria a saber, não sei porque que portas e travessas, que tínhamos estado à espreita. Tínhamos estado a ver os outros meninos a brincar! Outra das coisas abomináveis que poderiam acontecer, era chamarem-nos bichos do mato e ficarem a rir-se lá de baixo e a gozar connosco. Foi há muitos anos, ma…

Bolachas, simplesmente bolachas

Casei com dezanove anos. Ainda há pouco tempo andava na escola, preocupada com as últimas músicas, com as intriguinhas inconsequentes das melhores amigas, e agora ali estava eu, casada. Casada e a trabalhar. Um filho pequeno. Romântico, não? Não. Difícil e muito! O meu primeiro emprego foi num museu. Não me pagavam a horas. Não me pagavam sequer todos os meses e ainda a crise financeira não tinha chegado a Portugal. Por vezes ficávamos, eu e os meus colegas de infortúnio a contar tostões até dois, três meses. Logo, não havia dinheiro para nada, sequer para comer. Porque se tinha outros colegas jovens como eu, que ainda moravam em casa dos pais, eu já tinha que me virar sozinha. Para piorar as coisas, o meu marido tinha sido convocado para a tropa. Esteve lá quinze meses, quinze meses em que o pouco dinheiro que ganhava servia apenas para pagar as passagens de barco e comboio para ir e vir. E eu, vivendo de favor em casa dos meus sogros, tendo que pagar hospedagem, tendo um filho pequen…