sonhando, escrevendo e imaginando

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Não expliques nada. Eu compreendo...


Shhhhhh…
Não digas nada.
Não expliques nada.
Não te preocupes!
Está tudo bem.
Eu sei que te disse que queria saber porquê.
Mas estava errada então.
Nada pode ser assim tão importante,
desde que me continues a amar.
Não há outro problema que possa existir,
não há outro contratempo que tenha importância,
desde que continues a gostar de mim.
O resto, é só resto, deixa estar, não faz mal nenhum.
Eu sei que às vezes peço demais,
sei que sou teimosa, imatura, infantil e birrenta.
Penso que posso dispor de ti e do teu tempo
Como se fosses pertença minha,
e não tivesses outros interesses na vida
a não ser namorar comigo e fazer-me feliz.

Não digas nada.
Não expliques nada.
Não te preocupes!
Desde que me leves contigo dentro do teu coração,
nada mais importa.
Não preciso de nada mais para além do teu amor.
Nem de papéis, nem de alianças,
nem de reconhecimento oficial,
nem de nenhuma outra tola convenção social.
Não me interessa mais nada a não ser
os teus braços, as tuas mãos, a tua boca,
tu todo e inteiro só para mim, quando estamos  nós os dois.
Não me interessa mais nada a não ser o teu sorriso bonito,
Ouvir a tua voz, passar a mão sobre o teu corpo,
Olhar para ti, dar-te um beijo no rosto.

Não digas nada.
Não expliques nada.
Não te preocupes!
Continua a dizer-me coisas bonitas,
Continua a falar-me de carinho, de desejo, de paixão.
Fala-me de ti, dos teus sonhos, dos teus planos.
Chama-me querida!
Chama-me teu amor!
Manda-me beijos do tamanho do mundo.
Fala comigo centenas de vezes por dia.
Diz que tens saudades.
Diz que me queres.
Diz que me achas especial.
Diz que me achas a mais excitante das mulheres.
O que pode existir que seja mais importante do que isso?
Nem problemas, nem dinheiro, nem trabalho, nem compromissos,
Nem doença nenhuma do mundo, nem as pragas todas do Egipto,
Nos vão poder separar
se me continuares a amar.

Não digas nada.
Não expliques nada.
Não te preocupes!
Marca de novo encontro comigo.
Vem-me buscar outra vez.
Leva-me contigo, bem juntinha a ti, para onde tu quiseres.
Eu sigo-te até ao fim do mundo,
de olhos fechados se preciso for.
Só preciso que me dês a tua mão para me guiar.
Vamos para um hotel, para uma praia, para o tapete florido de um campo,
para o assento traseiro do teu carro, para o vão escondido de algum prédio,
para dentro de algum recanto de jardim, para debaixo de alguma árvore...
Não importa aonde for, importa que estejas lá.
Importa que me toques,
que me agarres, que me mexas, que me desarrumes.
Que me olhes com os teus olhos lindos, mais lindos deste mundo,
e que eu veja neles amor, para lá do simples desejo.
Importa que eu sinta carinho na tua boca enquanto me beijas com paixão.
E importa que me trates com cuidado, com ternura,
que me faças perder a cabeça e a razão.
Que te demores comigo até não ser mais possível aguentar,
até o prazer ser tão urgente e tão gostoso que não dê para prolongar.
E importa que mesmo nessa altura, me faças um carinho no rosto afogueado,
E por entre os meus gemidos, como é teu costume, me perguntes se podes entrar.
O que pode interessar mais, depois de tudo isso?
Não digas nada.

Não expliques nada.
Não te preocupes!
Não há nenhuma justificação a dar.
Sou só eu. Calma, não mordo, não arranho, não esperneio.
Está tudo bem.
Não estou zangada,
Nem estou triste,
Nem fiquei magoada.
Sei que não sou a tua primeira opção,
nem o teu primeiro compromisso.
Tenho uma amiga que diz que não devemos dar a prioridade
a quem nos trata como opção.
Mas eu não quero saber dessas ideias rígidas cheias de sensatez.
Dou-te todas as prioridades do mundo.
Para mim és tudo.
Não és uma prioridade, és a minha vida.
Não existem alternativas pensáveis depois de ti.
Nem existem planos B, nem estradas secundárias,
Nem percursos alternativos.

Não digas nada.
Não expliques nada.
Não te preocupes!
Diz só que me amas!




Sem comentários:

Enviar um comentário