sonhando, escrevendo e imaginando

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Para ti, porque te amo muito

Para ti, porque te amo…
…e porque mudaste tudo na minha vida. Porque me fizeste ver o mundo de forma diferente, mais bonita, mais despreocupada. Pintaste o meu céu de cores mais azuis, afastaste as nuvens para longe, e puseste o sol a brilhar mais forte, mais quente, mais cor-de-laranja outra vez. Acrescentaste mais rosas nas minhas roseiras, podaste os espinhos sem luvas, regaste na quantidade exacta e cuidaste na altura certa. Cobriste de novo os meus campos todos de verde, arrancaste as urtigas e as outras ervas daninhas, deixaste só os malmequeres e as papoilas. Fizeste o vento forte soprar mais devagar, para não me despentear muito e aparaste todos os relâmpagos que vinham na minha direcção, sempre que o tempo fechava e a tempestade se aproximava. Protegeste-me da chuva fria e aqueceste as minhas mãos no calor das tuas, quando chegou o Inverno.
Para ti, porque te amo, e porque enches os meus dias de alegria, de felicidade. Porque quando acordo de noite, e enquanto que dantes chorava baixinho na minha cama fria, agora basta lembrar-me de que existes, para tudo ficar bem outra vez, para todos os medos fugirem para dentro do armário, e todos os fantasmas se retirarem exorcizados pela tua recordação. E porque as lágrimas já nem têm vontade de correr, e quando correm já não são lágrimas de tristeza, mas de emoção, de gratidão à vida, por te ter colocado no meu caminho, numa altura em que o caminho estava a ficar sem muito mais para andar, sem muito mais para dar e estava todo preenchido por uma tristeza sem fim.
Para ti, porque te amo, e porque me fazes companhia mesmo quando estás muito longe, mesmo quando não te falo, nem te ouço. Porque ficas sempre bem guardado dentro do meu coração, juntinho ao meu peito, quer faça sol, quer faça frio lá fora. E porque nunca me sais da lembrança, nunca vais para longe, nunca me deixas desamparada nem sozinha. E respondes sempre quando te chamo, estendes-me a mão sempre que preciso, e nunca te zangas comigo nem com os meus disparates infantis e sem sentido, e ainda dizes que gostas de mim. Continuas sempre em todos os lugares do meu mundo, aonde quer que eu vá, com quem quer que eu esteja, faça eu o que estiver a fazer. Vejo-te a todas as horas, em todos os momentos em que fecho os olhos, ou mesmo quando os tenho bem abertos.
Para ti, porque te amo, e porque tão depressa, que mal me dei conta, tomaste o lugar principal na minha vida, ofuscaste todos os brilhos antigos, diminuíste toda a intensidade das recordações mais queridas, das memórias do passado, mesmo daquelas que eram sempre mais lembradas. Chegaste de mansinho, calmamente, sem forçar, sem apressar. Com esse teu jeito gostoso de explicar, de dar a entender, de aceitar, de simplesmente estar lá, para o que for, e para tudo o que vier. Não desististe, não foste embora, não mudaste a tua maneira de ser para comigo, não tentaste cortar as minhas asas, nem domar o meu espírito, não invadiste o meu espaço nem mesmo quando eu te dei permissão para o fazeres. Aceitaste-me como sou, cheia de defeitos, de carências, de necessidades, de inseguranças, de medos e de feridas mal saradas de tantas batalhas antigas.
Para ti, porque te amo e porque fizeste com que o meu corpo acordasse de novo. Porque me devolveste a vontade de ser bonita, de seduzir, de falar de forma diferente, até de andar de forma diferente. Porque me fizeste lembrar outra vez do bom que é de manhã escolher a roupa para vestir, ver o que fica melhor, o que é mais bonito. Que me convenceste de que até a cor das calcinhas é importante, e merece ser escolhida tanto como outra coisa qualquer. Porque contigo voltei a gostar de beijar, da maneira que sempre gostei de ser beijada, da maneira gostosa que me fez sempre fechar os olhos e perder a cabeça, devagarinho, sem pressas, com todo o tempo do mundo. Porque contigo voltei a gostar de ser abraçada, de abraçar, de ser envolvida, , agarrada, mexida, desarrumada. Voltei a sentir o coração bater mais depressa, com mais vontade, com mais urgência, o sangue a correr mais depressa, e a respiração a acelerar. Para ti, que me fizeste de novo gemer de prazer, estremecer de paixão, querer mais e querer que o mundo inteirinho parasse naquele momento para nunca mais termos que nos separar, para o encanto nunca se quebrar. Para ti que és capaz de incendiar o meu corpo inteirinho com a simples passagem das tuas mãos, com o toque dos teus dedos.
Para ti, porque te amo e porque até nos meus pensamentos conseguiste entrar. Porque conseguiste mudar até a forma complicada como eu percebia a vida, desfizeste quase todos os nós dos meus preconceitos, dos meus tabus, das minhas certezas tão infundadas, tão mal sustentadas e que me faziam perder tanta das coisas bonitas que existem para serem vividas. Para ti que tens sempre tanta paciência com as minhas indecisões, com as minhas reticências, com as minhas incertezas. Que sabes esperar até eu ser capaz de te acompanhar, que me dás tempo sem me empurrar para a frente, que não me forças a seguir adiante, antes de eu ter a certeza de que sou capaz. Que me dás a segurança de que preciso para me sentir tranquila, querida, desejada.
Para ti, porque te amo e porque não há no mundo inteirinho mais ninguém como tu. Porque és único, melhor e diferente de todos os homens que já conheci. Porque nunca nenhum deles me falou como tu me falas, me disse coisas lindas como tu me dizes. Porque nunca nenhum deles me tocou da maneira como tu tocas, com o carinho, com o cuidado, com a paixão, com o desejo com que tu o fazes. Mais ninguém antes de ti me fez sentir o que sinto contigo. Nenhum outro amor me fez feliz como tu o fazes, mesmo quando não me tocas, mesmo quando não te vejo. Basta recordar-me de ti, das tuas palavras, da tua voz, do teu olhar, para sentir uma sensação quente e gostosa por todo o corpo, para sentir as pernas a ficarem bambas, para a minha respiração acelerar, para sentir um calor delicioso a subir, a invadir, a instalar-se no corpo e no coração.
Para ti, porque te amo e porque amo a maneira bonita como gostas de todas as pessoas da tua vida. A maneira bonita como falas com todas elas, como as consideras e as tratas, a delicadeza, o carinho, a cortesia. Porque amo a capacidade que tens de dar amizade, de conviver, de dizer sempre o que é preciso dizer, da forma melhor, da maneira mais bonita. Porque amo o teu jeito cuidadoso de nunca querer magoar ninguém, de ser sempre atencioso, delicado, correcto. Porque adoro saber que és inteligente, que sabes tudo, que tens sempre as respostas para todas as perguntas, que não há assunto no mundo do qual não saibas falar, ou sobre o qual não tenhas opinião. Porque era capaz de ficar horas inteiras só a ouvir-te, só a aprender o que tens para dizer, e não só porque te amo, mas porque tenho a certeza de que tudo o que dizes é maravilhoso e digno de ser ouvido. E porque amo de paixão esse teu jeito de nunca me fazeres sentir que sei menos, quando eu sei muito bem que sei infinitamente menos coisas sobre tudo do que tu. Adoro quando não deixas que eu perceba que não estou a par de todas as coisas que tu estás, adoro essa tua maneira amorosa de sempre valorizares o que penso, de sempre me fazeres sentir importante, presente, apreciada. Amo quando dizes que tenho o direito de pensar da forma que eu quiser, mesmo que esteja errada, mesmo quando achas que estou errada, mesmo quando até eu sei que estou errada.
Para ti, porque te amo muito, do fundo do coração, porque não consigo mais imaginar a minha vida sem ti, porque fazes tanta parte de mim, que por vezes fica difícil saber aonde eu começo, e aonde começas tu. Para ti que se calhar podes muito bem ser o tal anjo especial de carne e osso, que um amigo lá de cima, ficou de me enviar, e que apesar da demora em chegar, eu sempre acreditei que chegaria. Para ti, que sei que não tens muito tempo para leituras, e que se estiveres a ler o que escrevi, te podes atrasar para os teus compromissos. Não importa quais sejam os compromissos que tenhas, todos eles já existiam quando entrei na tua vida, e eu sempre soube que eles lá estavam. Nenhum deles faz com que eu te ame menos, ou com que sinta que tenho mais direito ao teu tempo do que aquele que me podes dar. Embora eu quisesse para mim todos os minutos e todos os segundos dos teus dias…
Para ti, porque te amo e porque és dono do meu coração, do meu corpo e dos meus sonhos, porque reinas sozinho na minha alma e nos meus desejos, mando-te um beijo grande, doce, cheio de amor, de gratidão, de admiração e de ternura. Um beijo no rosto, nos lábios, no pescoço, mais acima, mais abaixo, aonde quiseres e aonde te der mais prazer.
Porque te amo muito, deixo-te o meu amor. É tudo de que disponho, e é tudo o que tenho para te dar. Se te servir, toma-o, leva-o contigo e leva-me junto também.
Fica comigo. Não vás para longe. Adoro-te muito!

2 comentários:

  1. Não me canso de ler, reler e voltar a ler! Não há palavras para tanto conteúdo, tanto sentimento, tanto Amor, tanta saudade, tanto desejo, tanta esperança... Pode parecer um comentário com uma "frase feita", mas não. É sincero e sentido de quem lê, relê e volta a ler vezes sem conta. BJS

    ResponderEliminar
  2. Olá Fernando,
    Fico muito contente em saber que gostou!
    Leia, releia e volte a ler as vezes que quiser. É um prazer sabê-lo por perto! Amigos queridos como o Fernando fazem da minha vida um lugar um bocadinho menos triste.
    Muitos beijinhos para si.

    ResponderEliminar