sonhando, escrevendo e imaginando

sábado, 13 de agosto de 2011

Podes deixar o teu chapéu na cabeça


Não precisas de fazer cerimónia comigo.
Podes deixar o teu chapéu na cabeça.
Deste-me uma razão para viver.
Fizeste com que os meus dias voltassem a ter sentido.
Devolveste-me o sol, devolveste-me o mar, as estrelas do céu e as flores do campo.
Fizeste com que eu encontrasse a minha alegria perdida.
E ensinaste-me de novo a sorrir.
Disseste-me que sou bonita, querida, especial e conseguiste que eu acreditasse.
Convenceste-me de como é tão importante escolher as calcinhas que visto de manhã.
Falaste-me sobre coisas que eu nem sabia que existiam, e de uma forma que eu nem sabia que se podia.
Ensinaste-me que amar não é vergonha, nem pecado, e que prazer é uma coisa muito boa.
Mostraste-me como beijar, como abraçar, como desejar quando se quer fazer amor.
Tocaste-me com paixão, com ternura, com carinho, fizeste-me suspirar, fizeste-me gemer.
Perguntaste se podias, e deste-me tempo, esperaste por mim, dançaste no meu ritmo.
Não foste embora no fim, envolveste-me num abraço amoroso e fizeste-me muito feliz!
Por isso, não precisas de fazer cerimónia comigo.
Podes deixar o teu chapéu na cabeça.

Interessaste-te por mim e pelos meus problemas que são muitos, que são tantos…
Deste-me apoio, deste-me consolo, deste-me um ombro aonde chorar.
Quando tudo corre mal, és a primeira pessoa em quem penso, para perto de quem queria fugir.
Quando tudo corre bem, és a primeira pessoa com quem eu queria partilhar e festejar.
Estás sempre por perto quando preciso, mesmo estando nós tão longe.
E respondes sempre aos meus chamados, até quando te causo embaraços e te atrapalho.
E chamas-me minha querida e meu amor, e despedes-te com um beijinho.
Falas de ti com a maior abertura do mundo, com a inocência querida de uma criança
Desarmas-me completamente com as tuas razões simples, claras, cheias de lógica.
E tens paciência com as minhas birras, com os meus amuos, com a minha teimosia.
Por isso, não precisas de fazer cerimónia comigo.
Podes deixar o teu chapéu na cabeça.

E és delicado, simpático, cortês e gentil.
Deixas-me ir á frente, deixas-me entrar primeiro.
Tens resposta para todas as perguntas do mundo.
Sabes tudo sobre todos os assuntos do mundo.
Deixas-me falar, ouves-me, prestas-me atenção, conversas comigo.
Não me deixas nunca sentir como és tão mais culto e tão mais inteligente do que eu.
Adoro ouvir-te falar, adoro o que dizes, a forma como o dizes, o olhar com que dizes.
E gosto da tua boca bonita, do teu sorriso lindo, dos teus olhos meigos.
E gosto do teu abraço, do teu cheiro, do teu corpo todo, do teu jeito, do teu beijo.
Adoro de paixão quando me tocas, quando me queres, quando me tens.
E adoro quando te preocupas mais com o meu prazer do que com o teu próprio.
E no fim, ainda perguntas se gostei, se foi bom para mim.
Não precisas de fazer cerimónia comigo.
Podes deixar o teu chapéu na cabeça.

Amo-te porque existes, entraste na minha vida, e agora fazes parte de mim.
Porque nunca conheci outro homem assim como tu.
Porque foste o primeiro com quem me sinto mulher, em tudo e durante todo o tempo.
E porque nem precisas de me tocar, para me deixar a respiração acelerada.
Basta pensar em ti, falar contigo ou olhar para ti, para disparar o meu desejo.
Não precisas de fazer cerimónia comigo.
Podes deixar o teu chapéu na cabeça.

E obrigada, meu amor querido, por estares na minha vida e por deixares que eu te ame.
Não te descubras,
não precisas de me cumprimentar com reverência,
podes deixar o teu chapéu na cabeça.



Sem comentários:

Enviar um comentário