sonhando, escrevendo e imaginando

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Amo-te

Não peças perdão.
Não há nada para perdoar.
Não é nenhum crime amar.

É inútil insistir…
Não consigo esquecer!
Por muito que a razão se esforce,
por muito que o bom senso tente fazer ouvir a sua voz,
nada há que eu possa fazer.
Amo-te.

Nem quero saber se ficas comigo por um dia,
se voltas daqui a um ano,
se me deixas sem noticias um tempo sem fim.
Mesmo que finjas que eu não existo,
eu sei que também gostas de mim.
Se não já tinhas descoberto uma maneira de me afastar de vez.
És inteligente, brilhante, esperto,
sabes como afastar alguém a quem já não quisesses.
E eu sei que quando me deixaste ir embora,
me estavas a dar aquele tal espaço de que tanto falas.
Estavas a dar-me liberdade para fazer o que tivesse que fazer.
Mas eu não sou como tu.
Não preciso de espaço.
Não quero espaço.
Nem quero outra liberdade que a de poder gostar de ti.
Quero ficar guardada dentro do teu abraço.
Quero ser querida e amada.
Quero que me beijes,
Quero que me abraces,
Quero que me tenhas aonde for para ser.
Quero que sejas apenas o meu amor,
o meu homem,
aquele que me enlouquece e me dá prazer.

Não me importa o que não dizes,
o que não fazes…
Nem me interessa aquilo que não podes ser,
que não me podes dar.
Não preciso que me dês nada,
nem que me ofereças titulo nenhum.
Nem que desistas de nada do que é teu.
Só preciso de ti.
Simplesmente de ti e do teu amor.
Como puder ser.
O resto não é importante.
Já me devias conhecer melhor do que isso!...
Nunca disseste que já me tinhas esquecido.
Nunca disseste que já não me querias.
Isso basta-me.
Amo-te.

Eu tentei.
Pensei que conseguia, que tinha força.
Achei que se viesse embora,
tu saías finalmente de mim.
E esta sensação que faz doer,
estas saudades sem fim,
este desamparo e este frio na alma iam poder desaparecer.
Mas ficaste em mim!
Em tudo o que sou eu.
E a tua presença acompanhou-me ainda mais viva do que dantes.
Não havia lugar aonde não estivesses.
Nem pensamento que não fosse para ti.

Desisti…
Não há como fugir.
Não há volta a dar.
Não consigo viver sem a tua companhia no meu coração,
pelo menos no meu coração.
Amo-te.

Não me importo de esperar.
Sem condições, desta vez.
Ficar sem ti foi um milhão de vezes pior.

Mas não peças perdão!
Não há o que perdoar.
Não é nenhum crime amar.

Quem gostar de ti, há-de perceber isso.

Sem comentários:

Enviar um comentário