sonhando, escrevendo e imaginando

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Fui apanhada desprevenida

Fiquei admirada, fiquei surpreendida.
Porque há emoções que nos apanham assim,
sem estarmos preparados.
Quando estamos por aí,
demasiados ocupados,
demasiado preocupados com a vida.

Somos sempre mais amigos daqueles com quem choramos
Do que daqueles com quem rimos.

Comigo sempre aconteceu desta maneira.
Quem tem paciência para me aturar,
quem fica comigo sem pedir nada quando preciso de colo,
quem me dá carinho quando choro,
tem direito á minha gratidão eterna.

Tenho a felicidade enorme de ter alguns amigos queridos assim.
Alguns devem estar a ler o que estou a escrever,
e sabem quem são.
E sabem que os amo de todo o coração,
porque fazem parte da minha vida.
E dia que não fale com cada um deles,
é um dia mais triste para mim.

Um deles mora dentro da minha alma desde que desembarquei em Portugal.
Alguns estão comigo quase desde a infância.
Outros fui-os conquistando ao longo do meu caminho.
E tenho os que vivem no meu coração há menos tempo,
e ocupam um lugar tão importante como todos os outros.
Tenho-os procurado a cada vez que estou mais triste,
porque não sou capaz de chorar sozinha.
Não consigo sofrer escondida no quarto,
nem tenho a capacidade de fingir que estou muito bem,
se por dentro me sinto a estalar de dor.
Eles têm-me apoiado mesmo quando eu erro,
têm ficado comigo mesmo quando insisto nos meus erros,
e têm sido a minha melhor terapia, grátis e sem hora para acabar,
o meu mais eficaz antidepressivo, sem efeitos secundários, nem danos colaterais.

Alguma coisa boa devo ter feito na vida,
mesmo sem ter dado conta disso…
Mesmo enquanto vou ao fundo e venho ao de cima,
e estou por demais ocupada em não me afogar.
Porque ninguém tem a felicidade de ter amigos
queridos e preciosos como eu tenho,
se não tiver algum pequenino préstimo
que seja.
Obrigada a todos vocês,
Homens e mulheres da minha vida!
Com rostos lindos que sei de cor,
ou sem rosto mas com coração de ouro.
Não vão embora,
não se cansem e não me deixem,
não sei o que seria de mim se ficasse sem vocês!

Fiquei admirada, fiquei surpreendida.
Porque há emoções que nos apanham assim,
sem estarmos preparados.
Quando estamos por aí,
demasiados ocupados,
demasiado preocupados com a vida.

Nunca namorei um amigo.
Mas já me aconteceu ficar amiga de antigos namorados.
Nunca comecei devagar, com tempo.
Apaixonei-me sempre depressa demais,
Sem reflectir, sem ponderar.
Nunca senti que pudesse gostar de forma diferente de um amigo meu.
Mas há emoções que nos apanham desprevenidos,
Sem estarmos preparados.

Não sei como lhe chamar,
Não sei que titulo lhe dar.
Sei que ele não é meu irmão, nem meu primo, nem meu filho…
Se faz parte da minha família?
Faz parte das pessoas que moram no meu coração.

Se não quer ser apenas meu amigo…
Não sei como lhe deva chamar.

Talvez se ele tiver calma comigo,
Se me der tempo,
Se souber esperar.

Sei que fui apanhada desprevenida,
Enquanto andava ocupada demais a pensar na vida.

Há emoções que nos apanham assim,
e que vão somando pontos com os pequenos detalhes…
Eu gosto de ser conquistada, protegida, acarinhada.

2 comentários:

  1. Querida Glória!

    Espero fazer parte do rol de amigos que conquistaste. Espero que saibas que, apesar de, por vezes ausente, estou sempre presente. Ao contrário de ti, gosto de sofrer sozinha, e não choro, por isso, posso, por vezes parecer uma amiga longínqua, mas estou sempre aqui.

    Texto lindo, como sempre... Como tu.

    Beijinho,

    Anabela

    ResponderEliminar
  2. Olá, Anabela
    Mas claro que fazes parte do rol de meus amigos queridos! Foste uma das minhas primeiras amigas e seguidoras! Gosto muito de ti! E sei que estás sempre por perto, bem hajas por isso. Mas olha que sofrer sozinha, custa muito mais. Podemos até não incomodar ninguém, nem dar "o braço a torcer", mas ficamos muito mais tristes... No entanto, cada pessoa tem o seu feitio, e assim deve ser respeitada. De qualquer forma, se precisares de chorar um pouquinho, cá estou...
    Obrigada pelo teu comentário.
    Beijinho, minha amiga querida.
    Glória

    ResponderEliminar