sonhando, escrevendo e imaginando

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Mil estrelas sem fim



Cada sorriso é uma esperança.
Cada esperança é uma luz.
Cada luz é uma estrela.
E cada estrela é um diamante pendurado no céu.

 Quantos sorrisos estão por cima de nós, enquanto dormimos?

Lembro-me que a minha mãe me dava um beijinho,
me fazia rezar com ela,
e me punha na cama para dormir.
“Anjo da guarda, minha companhia,
guardai a minha alma, de noite e de dia.”
Ela saía, deixava a porta entreaberta,
acendia a luz do corredor.

Mal os passos da minha mãe se deixavam de ouvir,
mal a sombra dela se perdia por entre as outras sombras da casa,
eu saltava da cama
e ia debruçar-me à varanda do meu quarto.

Lá em baixo,
á distância segura dos nossos quatro andares,
estavam as luzes da rua,
os faróis dos carros,
as vozes de quem ainda fazia a sua vida,
apesar da noite já ter descido por cima do vermelho das acácias.

O que se passava no mundo da rua e dos homens não me interessava.
Eu queria era espreitar o céu.
Tão lindo! Tão escuro e aveludado!
Cheio de estrelas!
Milhares de estrelas,
milhares de luzinhas a piscarem!

Não fazia nenhuma ideia do nome das constelações,
nem sabia identificar os planetas,
confesso que ainda hoje não sei.
E para que é que isso serve?
Todos esses nomes científicos foram inventados pelas pessoas.
Nenhuma estrela precisa de nome algum para brilhar.
Nenhuma estrela nasceu com nome.
Assim como nenhuma coisa bonita precisa de definição
para poder continuar a ser linda.

O que era bonito era apenas ficar ali,
debruçada do muro da varanda,
a olhar o céu,
a tomar banhos de noite e de luar.

“Faz um pedido á primeira estrela, acontece, vais ver!”
A minha mãe, quando estava nos seus dias menos maus,
era sonhadora, engraçada, cheia de fantasias…
Foi ela que, sem saber, me iniciou
no mistério de adorar as estrelas, a noite, o céu escuro.
Nunca consegui apanhar a primeira estrela.
Quando ia para a minha varanda,
já o céu estava carregadinho de diamantes a piscar.
Agora, que sou uma rapariga crescida,
não tenho tido muito vagar para esperar a primeira estrela da noite.
Talvez por isso,
o tal desejo ainda não se realizou…
As mães sabem das coisas…
tinha que ser a primeira…

Ficava durante o tempo que demorasse
até os cotovelos me doerem por estarem apoiados no parapeito rijo,
e o pescoço começar a fraquejar por estar há tanto tempo esticado para cima.
Quem nunca viu uma noite estrelada em África,
simplesmente nunca viu uma noite estrelada.
Não pode haver coisa mais deliciosa de se ver!
A beleza é tanta que os olhos se enchem de lágrimas,
a pele se arrepia, o coração bate mais depressa!
Um mar sem fim,
um nunca acabar de pontinhos luminosos,
como uma Árvore de Natal gigantesca,
acesa durante todos os meses do ano,
com os piscas ligados sem nunca parar!

Desde que viemos para Portugal,
nunca mais voltei a ter um quarto só meu,
uma varanda só minha,
e um céu inteirinho só para mim.
Acabaram-se as excursões nocturnas para espreitar as estrelas,
e tomar banhos de noite e de luar.
Mesmo nas poucas vezes em que consigo espreitar as minhas amigas lá de cima,
tenho tido sempre que dividir o espectáculo com mais alguém.
E fica difícil ficar caladinha,
a ver, a apreciar, a fazer parte de uma beleza tão grande que me ultrapassa,
quando tenho vozes a resmungarem contra o frio,
contra os mosquitos,
contra o disparate que é estar na rua,
no meio do escuro,
de nariz para o ar a olhar para cima,
enquanto estão a dar tantos programas interessantes na televisão….

Talvez o sol quando nasça seja para todos.
Mas as estrelas,
quando piscam no aveludado do céu, num convite descarado e atrevido,
está visto que não são para serem apreciadas por todos os olhos.

Cada sorriso é uma esperança.
Cada esperança é uma luz.
Cada luz é uma estrela.
E cada estrela é um diamante pendurado no céu.
Quantos sorrisos estão por cima de nós, enquanto dormimos?

Continuo a ver se consigo apanhar a primeira estrela.
Para fazer um desejo e esperar.
Estrelinha, estrelinha bonita no céu a piscar…

Mamã,
tu que estás bem mais perto das estrelas do que eu,
bem que podias fazer o pedido por mim…
Agora vê lá o que pedes.
Nada de juízo, compostura e boa educação.
Tive tudo isso durante estes anos todos.
Pede antes para eu ser feliz.
Eu sei que tinhas deixado de acreditar em contos de fadas,
mas eu ainda não…











Sem comentários:

Enviar um comentário