sonhando, escrevendo e imaginando

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Não é assim que vou desistir...

Existem lugares aonde passamos
e nos quais nunca nos imaginaríamos a viver…
Casas aonde até moramos
mas nunca chegam a ser o nosso lar…
Pessoas que parecem não nos estar destinadas
mas que não nunca deixamos sair das nossas vidas…

Eu não acredito muito,
nunca acreditei muito no destino.
Mas para quem acredita,
existem certas coisas a que se chamam sinais.
E certos desses sinais
são fortes demais
para serem simplesmente ignorados.

Quando tudo está combinado,
acertado,
encaminhado para acontecer de uma certa maneira,
num certo lugar
 a uma certa hora,
e de repente tudo fica sem efeito,
não apenas uma,
mas várias vezes com a mesma pessoa,
somos decerto levados a pensar
que estamos defronte de um desses tais sinais.

Ou um sinal,
ou alguma coisa desconhecida
que por alguma razão misteriosa
nos afaste daquela pessoa.

Exactamente o género de situação que nunca resulta comigo!
Apesar dos anos se terem passado,
e de eu ter crescido e me ter tornado responsável
nas coisas obrigatórias da vida,
a minha reacção ás contrariedades
nunca vai deixar de ser a mesma.
Chorar, espernear, e fazer finca pé.
Tentar, rondar, ficar por perto.

Apresentar-me dificuldades,
barrar-me o caminho com árvores caídas
e buracos de obras na estrada,
não é a melhor forma de me demover de algo que eu queira fazer.

A Providência, o Destino,
seja lá o que for
que confortavelmente escondido num lugar secreto qualquer
rege as nossas vidas,
devia já de me conhecer melhor do que isso…
Se é para me afastar de alguém,
não é dessa maneira…
Não é pondo entraves,
porque eu consigo removê-los,
ou cavando fossos,
porque eu atravesso-os em duas braçadas,
ou destruindo pontes,
porque sei construir jangadas…
A única forma de me afastar de uma pessoa,
é a falta de carinho,
de amor,
de desejo por mim.

Só quando sinto,
sem sombra de dúvida
que aquela pessoa,
não me gosta,
não me quer e não me deseja…
Só aí fico sem razões para continuar a lutar.
Porque posso ser capaz de derrotar o mundo,
mas não sei, nem quero violar o coração de ninguém.

Se deixar de lutar não quer dizer que deixei de amar.

Então fica esclarecido,
Senhor lá de cima,
Anjo, Querubim, Entidade,
Luz, Força,
não sei bem o quê:
Pode parar de inventar entraves.
Não vai conseguir nada assim!
Quanto mais dificuldades levantar,
Mais vontade eu vou ter de avançar…

Já nos conhecemos há tantos anos!...
Tinha obrigação de saber mais de mim…

Eu sou selvagem, indomada, impossível pôr-me cabresto!

2 comentários:

  1. Olá Glória!

    És mesmo assim, tenho a certeza. Espero que consigas ultrapassar teus entraves, e que o "Senhor lá de cima" te dê uma "abébia" e te deixe continuar no caminho a que te propões. Texto lindo. Bjinho grande.

    Anabela

    ResponderEliminar
  2. Olá Anabela,
    Que bom que já consegues comentar aqui!
    Sou mesmo assim. Teimosa, impossível de demover, mas tão fácil de contentar!
    Também espero que sim querida amiga. Que Ele esteja já cansado de brincar ao gato e ao rato comigo, e me deixe finalmente ser feliz... á minha maneira, mesmo que a Ele não agrade muito.
    Obrigada pelo teu comentário! Beijinhos grandes para ti também,
    Glória

    ResponderEliminar