sonhando, escrevendo e imaginando

domingo, 4 de setembro de 2011

Podemos tentar ter tudo

Sei que não sou exactamente como tinhas imaginado.
De repente ganhei vida,
saltei para fora da tela.
E deixei de ser o rosto eternamente sorridente
do outro lado do ecrã.

Não era bem o que esperavas. Além do sorriso bonito, veio junto comigo um mundo sem fim de complicações. Mas no meio de toda essa confusão continuo a estar eu. A mesma que conheceste. Igualzinha, só um pouquinho mais transparente. Não faz assim tanta diferença, pois não?
Ainda te amo como dantes. Pensar em ti continua a fazer acelerar o meu coração. Saber que estás algures por aí, nesse teu mundo complicado, ainda é a coisa mais linda da minha vida. Falar contigo, escrever-te, imaginar-te, ainda é a melhor parte dos meus dias.

 Mas, no entanto, sei que não sou exactamente como tinhas imaginado.
De repente ganhei vida,
saltei para fora da tela.
E deixei de ser o rosto eternamente sorridente
do outro lado do ecrã.

É um risco que corremos quando andamos por aí, nas estradas virtuais que nem constam no mapa de caminhos, em busca de um amor, de uma aventura, ou simplesmente em busca de satisfazer um desejo. Foi o que aconteceu contigo… Encontramos alguém, agradamo-nos do seu ar, do seu aspecto, da forma engraçada como fala, e quando damos por isso, temos nos braços uma pessoa inteira, completa, cheia de sonhos, desejos, complicações. Para onde foi a bonequinha sorridente que fazia comentários atrevidos? Estou aqui! É só olhares para mim, e tirares o olhar do computador. Sei que não sou só mel e açúcar, mas no fundo, nem sou assim tão difícil de aguentar…

Sei que não sou exactamente como tinhas imaginado.
De repente ganhei vida,
saltei para fora da tela.
E deixei de ser o rosto eternamente sorridente
do outro lado do ecrã.

Eu também teria antes escolhido um homem com todo o tempo do mundo só para mim, toda a disponibilidade do mundo para me ouvir, para sonhar comigo, para me amar. Sem tantos horários, sem tantos compromissos, sem tantas objecções. Alguém que estivesse sempre livremente ao alcance da mão, do abraço, pelo menos do telefone ou do computador. Mas não foi assim que aconteceu. Apareceste tu, e foi a ti a quem amei. Não reclamo da tua ausência, não me queixo da correria que é a tua vida. Sei que existem coisas que não estão na nossa mão mudar. Uma vez por mês, uma vez por ano… eu espero. Prefiro-te agora, humano, real, palpável, ao boneco atraente mas sem vida que eras, quando nos conhecemos, e não passavas de um conjunto de palavras incrivelmente bonitas! Faz o mesmo comigo…

Sei que não sou exactamente como tinhas imaginado.
De repente ganhei vida,
saltei para fora da tela.
E deixei de ser o rosto eternamente sorridente
do outro lado do ecrã.

Vem ter comigo! Estou com saudades! Saudades no corpo e na alma. Vontade de te ver, de te abraçar. De ficar simplesmente a olhar o teu rosto, os teus olhos, o teu sorriso bonito… conversar, passar a mão pelo teu corpo. Podemos deixar os problemas um bocadinho do lado de fora da porta, á espera de vez… Primeiro senta-te perto de mim.
Dá-me um beijo na boca. Devagar, com calma. Vai falando, vai conversando, vai contando coisas, novidades, enquanto me acaricias, enquanto me tocas. Eu vou respondendo enquanto poder, enquanto as palavras não se enrolarem na minha boca, enquanto conseguir ainda falar e não só gemer. Quando já não conseguirmos mais conversar com palavras, puxa-me de encontro a ti, não precisas de perder tempo a despir-me, abraça-me assim mesmo. Contigo tudo é bom demais! Se te consigo sentir através do computador como se estivesses sempre perto de mim, imagina quando estás de facto! Levanta-me a saia, desarruma-me o vestido, devagarinho. Perde a tua mão entre as sombras da minha roupa. Vês? Não há mais problemas, nem complicações, nem compromissos. Somos outra vez só tu e eu. Nada mais importa. Então devagarinho.. sem pressa… Vamos ter tudo? Vamos pelo menos tentar ter tudo. Amo-te muito! Podes… Quando quiseres… Tu podes o que quiseres comigo, sempre!

Na hora mágica em que o mundo girar com mais velocidade,
e em que o coração quase explodir de tanta felicidade
e o corpo quase parar de tanto prazer,
é sempre o teu nome que eu quero dizer.

Mas sou uma mulher inteira. Se me quiseres, tens que me querer toda. Desculpa amor, mas é só o que tenho para te dar.
Vens ter comigo este mês? Á mesma hora? No mesmo lugar? A minha agenda está sempre toda livre para ti. Telefona e marca um dia… Eu vou estar lá.
Ah, comprei umas coisas novas que te quero mostrar!...

Sei que não sou exactamente como tinhas imaginado.
De repente ganhei vida,
saltei para fora da tela.
E deixei de ser o rosto eternamente sorridente
do outro lado do ecrã.







Sem comentários:

Enviar um comentário