sonhando, escrevendo e imaginando

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Desculpa

Nem tanto, nem tão pouco.
Não interessa,
Eu não sei ficar no meio.

Se amo, adoro.
Se não gosto, não consigo fingir.
Ou vejo cor de laranja por todo o lado,
Ou o mundo fica cinzento de uma só vez.
Ou choro,
Ou rio á gargalhada.
Ás vezes sou tão feliz!
Quase de causar admiração em quem vê…
Ás vezes sou tão miserável,
Que só me apetece desaparecer!

Não sei dar espaço.
Não sei dar tempo.
Nem consigo ter calma,
E ficar sentada á espera.
Sou incapaz de deixar que o destino,
Ou o acaso,
Decidam como vai ser a minha vida,
Enquanto eu assisto ansiosamente
Sentada na plateia.

E só faço disparates,
E só cometo erros atrás de erros.
E pressiono,
Sufoco,
Asfixio quem está por perto.
Não peço demais.
Dou demais!
Dou mais do que aquilo que se consegue aguentar.
Porque eu sou mesmo assim.
Porque não sou equilibrada,
Racional,
Nem objectiva.
E a minha maturidade resume-se
A correr em busca da felicidade.
E o meu objectivo nunca é lá para a frente,
É sempre para aqui,
Para agora.

Porque quando dou,
Dou tudo.
E as pessoas não querem receber tudo.
Querem prestações,
Querem demorar tempo,
Querem estabelecer os próprios calendários
De quando dar,
De quando amar,
De quando procurar…

Eu não consigo ser assim!

Para mim não existem dias,
Nem alturas mais propícias.
Todos os dias são bons para falar de amor,
Todas as alturas são indicadas para dizer que gosto de alguém.

E esmago,
E não deixo respirar.

Mas não faço por mal.
Não sei ser diferente.
Tento sempre mudar um bocadinho,
Faço grandes planos de me transfigurar,
De ser comedida,
Prática,
Directa.
Prometo sempre que vai ser melhor,
Que me vou transformar…

E lá estou de novo.
Na mesma.
A procurar,
A falar,
A torturar,
A sufocar,
A importunar.
A pedir colo,
Atenção
Carinho…

            Desculpa mais uma vez. Sei que já estás farto de me perdoar…

2 comentários:

  1. Querida Glória! Tenho sentido a tua falta no facebook. Andas a esconder-te novamente. SInto falta de ti, dos teus comentários inteligentes e da tua presença sempre constante durante todo o dia. Que se passa? Por onde andas?? Sinto-te tão triste e sozinha, num cantinho qualquer escondida... Espero tanto estar enganada. Estou aqui, se precisares de mim. Jamais irei embora, ainda que me vá. Beijinho grande.

    Anabela

    ResponderEliminar
  2. Olá querida Anabela,
    Ainda estou por aqui. Mas tens toda a razão. Tenho andado descuidada. Vou procurar remediar. Não se passa nada. Só a vida que de vez em quando me faz chorar um bocadinho, mas há-de passar. Tenho andado sozinha já há tanto tempo, que me tinha desabituado de ser feliz. Talvez por isso, agora me custe tanto ficar de novo na companhia da solidão. Mas sabes que eu não perco a esperança. E acredito em milagres, mesmo contra todas as evidências.
    Obrigada por te preocupares comigo. Gosto muito de ti! Não te vais nada! Vais ficar por cá tantos, mas tantos anos que vais ser noticia de telejornal :) Ainda por cima agora, que já sabes de certeza que está tudo bem com a tua saúde! Vai correr tudo bem, vais ver! Tu e eu, ainda vamos ser muito felizes. Caramba, nós merecemos!
    Beijinhos grandes para ti, minha amiga. Fica bem! Um dia destes telefono-te, para pormos a conversa em dia.
    Glória

    ResponderEliminar