sonhando, escrevendo e imaginando

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Hoje não me convidem para beber café

Se mais alguém me convidar hoje
para beber café,
juro que grito!

Se mais alguém me olhar com desejo mal disfarçado,
me dirigir a palavra sem ser convidado,
fizer insinuações parvas
ou meter conversa comigo,
Juro que grito!

Hoje não!
Hoje não quero ser olhada.
Nem cobiçada…
Nem admirada.
Não quero que apreciem os caracóis desarrumados do meu cabelo.
Não quero que se deliciem com as minhas curvas desenhadas
pelas calça de ganga apertadas.
Não quero que apontem os olhos ao decote da minha camisola…
Nem que andem a cercar-me de longe primeiro,
aproximando-se devagar depois,
num ritual de dança tão antigo como o mundo.
Nem quero que metam conversa comigo,
e me perguntem pelas horas,
pelo tempo,
pela vida…

Hoje não me convidem mais para beber café!
Deixem-me em paz!

Está sol.
O dia está bonito.
Vão passear…
Vão palmilhar ruas e ver montras de Natal.
Vão olhar embasbacados para as meninas bonitas
das capas de revista.
Não se sentem perto de mim,
obrigando-me a levantar.
Não me sigam pela areia,
não me forcem a voltar.
Caramba!
Parem de me olhar!
Parem de me querer!
Parem de me desejar!
Não sou nada de especial…
Sou só uma mulher
que veio ver o mar…
E não quero conversar.
E não quero namoriscar.
Quero ficar só, a pensar…
Será que nem no fim do mundo,
Vão deixar de me reparar?

Podia ter quem eu quisesse…
Podia ter quantos eu quisesse.
Hoje…
qualquer dia.
Todos me vêem.
Todos me querem.
Só tu não me consegues enxergar.

Não sou bonita.
Não sou linda.
Não sou bela.
Mas tenho a tal coisa qualquer
que faz com que uma mulher
não passe despercebida.
Tenho aquilo que deixa os homens de cabeça virada,
mesmo quando quero ficar assim como queria hoje,
descansada.
Só tu és imune aos meus encantos.
Só para ti sou igual a nada.

Se mais alguém me convidar hoje para beber café,
Juro que vou gritar!

Vem-me buscar.
Vem-me salvar…
Qualquer um deles faria o que fosse
para me levar consigo dentro do carro.
Qualquer um desses que estão por aqui,
perto, a fingir ver o mar,
faria o que pudesse fazer para me agradar.
Qualquer um dos que me olham sem disfarce,
ou com mais recato,
gostaria de me abraçar,
de me beijar.
Qualquer um deles gostaria de me ter por um bocadinho,
de me agarrar…
de se perder em mim,
de me poder gozar.
Como é que só tu me consegues ignorar?

Se eu tirasse agora o casaco,
se me levantasse e sacudisse a areia das calças,
se soltasse os cabelos…
se começasse a caminhar no meu andar balançado…
Se olhasse disfarçadamente para trás…
Seguir-me-iam até onde os quisesse levar.
Homens,
Bichos engraçados!
Que se julgam sofisticados,
mas são tão simples de enfeitiçar!
Basta um sorriso,
um maneio de anca,
um olhar.
Um não sei quê que sei que tenho
e que nunca consegui explicar.
Basta ser mulher,
e falar a linguagem antiga do corpo,
acender o desejo,
para me fazer agradar.
Nem preciso de falar.
Fácil assim, como respirar.
Só contigo, não parece resultar.

Sabes do que tenho vontade às vezes?
De parar.
De não ignorar.
De escolher um qualquer á sorte,
deixá-lo aproximar.
Sorrir-lhe.
Aceitar.
Só para ver o que fazias,
e o que dizias.
Quanto tempo demoravas até me fazeres parar…
Até onde me deixavas ir,
até onde te conseguias aguentar…

Até ao primeiro beijo?
Até ao primeiro abraço?
Deixavas que ele me segurasse,
me apertasse,
me envolvesse,
Deixavas que ele me mexesse,
me sussurrasse ao ouvido?
Deixavas que enfiasse a mão por baixo da minha camisola?
Deixavas que se encostasse,
que se roçasse,
que me acariciasse?
Deixavas por que confias em mim,
E sabes que eu não ia reagir?
Mas e se eu gostasse?
Até aonde ias esperar,
para me fazeres parar?
Para me chamares,
Para me levares?

Não me convidem mais hoje para beber café.
Está na hora.
Vão almoçar!
Eu vou comer o meu chocolate…

            E tu, homem complicado, como estás a demorar!

2 comentários:

  1. Se estivesse bom, ia buscar-te e tomar um cafézinho.Beijinhos aqui de Carnaxide

    ResponderEliminar
  2. E se me viesses buscar, eu ia contigo com todo o prazer, beber um cafezinho. Beijinhos, Diabinho! Vê se ficas bom depressa...

    ResponderEliminar