sonhando, escrevendo e imaginando

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Prece de Natal

Lembro-me muito bem de quando o conheci…
Louro, olhos verdes, calças de bombazina branca, camisa de ganga desbotada…
Cigarro ao canto da boca, um sorriso calmo no rosto, mão enfiada no bolso…
Dezoito anos.
Eu, quase dezassete.
Lembro-me que o achei surpreendente, diferente dos outros rapazes que faziam parte do meu grupo de conhecidos e de namorados.
Ficámos amigos da maneira como se ficava amigo nos tempos da minha juventude. Dois beijinhos, um de cada lado do rosto, uma apresentação sumária, um pedido para sentar perto, muitos sorrisos, muita conversa de ocasião, um ou outro galanteio e sonhos, tantos sonhos!….
Dois dias depois éramos namorados, vinte e quatro meses depois vivíamos juntos. Foi meu marido durante mais de vinte anos…
A nossa vida nunca foi um conto de fadas. Muitas lutas, muitos problemas, muitas diferenças de opiniões, de hábitos, de costumes… O vicio dele do álcool, das noites fora de casa, defeitos que eu não sabia que ele tinha, defeitos que ele também não sabia que eu tinha… Tantas ocasiões em que me senti a mais sozinha das criaturas, a mais abandonada, tantas lágrimas que chorei na calada da noite…
Ainda assim não queria que ele fosse infeliz! Não queria que sofresse. Parece-me ainda que o estou a ver, como há mais de vinte anos atrás. Quando cheguei como sempre chego na vida das pessoas como um furacão, fugida do meu pai, sem roupa, sem dinheiro, sem nada além de uma vontade louca de ser feliz. Como ele me disse para ficar, para sossegar por ali, pensar numa vida nova, desistir de correr… Como me ofereceu tudo que tinha, que não era nada, mas que na altura representou o mundo para mim. Não queria que ele sofresse só porque deixei de o amar há tanto tempo que nem consigo precisar quando! Não queria que ele estivesse tão triste! Parte-me o coração ver que ele não está bem, não está a conseguir superar a situação. E no entanto, não admito nem ponderar a mínima hipótese de regresso. E sinto-me um monstro por isso…
Queria que a vida fosse boa para ele, que encontrasse outra mulher, mais simples, mais paciente, mais submissa, mais tranquila, mais sensata do que eu. Que se emendasse, reconstruísse a vida, que recomeçasse do zero, que fosse muito feliz!
É quase Natal. Meu Deus, tu que tudo podes e tudo consegues, não saias de nós agora! Não nos abandones sozinhos no meio do vendaval que ficou a nossa vida. Olha por ele, faz com que me esqueça, com que pare de alimentar esperanças vãs, não permitas que sofra, que chore… Não é mau, não é cruel, no fundo até é boa pessoa… ajuda-o. Faz com que arranje um bom trabalho, com um bom ordenado, encontre uma linda mulher, faça as pazes com o filho, seja muito, muito feliz.
Faz também com que o meu filho se entenda com o pai, com que sejam amigos, se dêem bem. Com que encontre um rumo bonito na vida, uma namorada de quem goste muito, amigos, alegria, felicidade. Dá á minha filha paz, tranquilidade, sossego para que pare de gritar, de chorar. Acalma o seu temperamento exaltado, faz-lhe todas as festinhas na cabeça que não consigo mais fazer, porque estou cansada, tão cansada! Não deixes que se arranhe, que se morda. Fica perto dela para ela não se enervar, eu não tenho mais força para ficar, esgotei todas as palavras que sabia para a acalmar.
Abre o coração do meu amor, do homem a quem amo mais do que á vida, faz com que ele perceba que gosta de mim. Pega-lhe na mão, trá-lo para perto, faz com que ele fique comigo outra vez. Ajuda-me a fazer dele o homem mais feliz do mundo, porque ele merece. E sendo ele feliz, e estando ele comigo, toda a minha vida voltava a fazer sentido outra vez…
Sei que é Natal, meu Deus. Sei que tens muitos pedidos para atender, e sei que não tenho sido uma das tuas filhas mais dedicadas e fiéis. Mas Tu que tudo sabes, e tudo vês, estás bem sabedor que nunca deixei de acreditar em Ti. Que apesar de estar um bocadinho, só um bocadinho triste, magoada e decepcionada contigo, guardei sempre o Teu lugar no meu coração.
Ajuda-nos meu Deus, nesta altura de aflição! Não desistas de nós agora! E não demores muito a fazer os milagres acontecerem. O tempo está a andar depressa demais! Tenho tanto medo de que chegues atrasado…
Eu vou fazendo aquilo que sempre fiz, a única coisa que consigo fazer… seguir a voz do coração.

2 comentários:

  1. Querida amiga, estamos chegando numa época do ano que gostamos de lembrar das coisas que aconteceram e as que gostariamos que tivessem acontecido, é um momento de reflexão e de desejos para um ano novo que vai chegar.Espero que vc consiga realizar os seus desejos.Que Deus lhe de forças e que dê tudo certo para vocês todos !!! Feliz Natal e Feliz 2012 !!! Bjos. Iolanda

    ResponderEliminar
  2. Olá Iolanda, boa noite!
    Obrigada pelos votos de Feliz natal! Igualmente para si, e todos os seus! Feliz Novo Ano também.
    Esta é mesmo uma altura de pensar no que aconteceu durante o ano. Este foi o ano de todas as mudanças na minha vida! E ainda não terminou, nem o ano, nem as mudanças... Mas eu gostei! Não me arrependo de nada, faria tudo de novo, com o mesmo amor, com a mesma esperança, e com a mesma ousadia louca que sempre acompanha tudo o que faço.
    Muitos beijinhos para si. Obrigada pelo comentário
    Glória

    ResponderEliminar