sonhando, escrevendo e imaginando

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Vem-me no encalço...

Segue-me o cheiro, vem-me no encalço.
Diz que me amas, diz que me queres
Ou não digas nada,
Só me segue.

Vou-te mostrar como é bonito o sol a nascer,
Sim a essa hora em que às vezes estás a adormecer…
Vou-te fazer subir ao monte mais alto,
Para nos sentarmos nos malmequeres,
E vais sujar o teu fato de terra,
E vais ficar com lama nos sapatos…
E vou ficar com o teu telefone mal educado
Que está sempre a tocar,
Quando queremos conversar.

Não adianta nem reclamares,
Nem olhares o relógio,
Ou colares os ouvidos na campainha da porta da rua…
O sol está a chegar para render a lua.

Vou na frente porque conheço o caminho,
O meu coração sabe-o de cor sozinho.
E o meu corpo obediente,
Vai atrás do que o coração sente.

Segue-me o cheiro, vem-me no encalço.
Diz que me amas, diz que me queres
Ou não digas nada,
Só me segue.

Não tenhas medo se me perderes de vista
Nas curvas do caminho.
Estou logo bem ali,
Mais um pouquinho á frente.
Eu prometi-te que não ia a lado nenhum sem ti…
Também tu tens que aprender a confiar mais em mim…
Vamos,
Despacha-te antes que o sol nasça
E nós ainda por aqui!

Não vais levar agenda nenhuma,
Nem secretária electrónica!
E vais deixar esquecidas as chaves,
E vais perder noção das horas…
Se te chamarem vais estar longe.
Se te precisarem
Vais estar a cuidar desta vez de ti.
Se te olharem de lado,
E te franzirem o nariz numa expressão de inveja e desagrado,
Deita-lhes a língua de fora,
Faz uma travessura
Gostosa e traquinas de menino da rua!
O que arde, cura…
Viras-lhes as costas porque eles não importam,
São só adereços de cenário, peças mortas…

Viva sou eu
Que te quero,
E que te adoro!
E te levo pela mão se for preciso,
E te ensino a não pisar as flores,
E a encontrar os lugares secos sem lama.
E a ver o sol nascer
Às horas em que costumas adormecer.

Viva sou eu que me vou sentar perto de ti,
Em cima da terra e dos malmequeres,
E vou ficar ali
Á espera que o sol tome o lugar da lua.
Acendo o teu desejo.
Encosto-me devagarinho,
Com cuidado de mansinho,
Não vás tu estar zangado comigo,
Como estás quase sempre…
E eu nem me lembre do que fiz desta vez,
Se fui inconveniente
Se fui imatura,
Se fui rude, se fui dura,
Se fui infantil,
Se fui só eu, simples e pura..

Segue-me o cheiro, vem-me no encalço.
Diz que me amas, diz que me queres
Ou não digas nada,
Só me segue.
 Vá,admite!
É bonito!
É muito bonito!
É como eu sempre digo,bonito demais!...
E o céu fica rosa, fica cinza e fica dourado,
E vermelho á mistura…
E o sol nasce e fica pendurado do céu,
E a beleza é tanta que e tu que não estás habituado,
Até esqueces de fazer cara zangada,
E abres-te num dos teus sorrisos bonitos!
Pões.me o braço á volta dos ombros,
Ficas a olhar de rosto encantado,
Quando dás por ti já me beijaste,
Já esqueceste o sol e as horas,
Já nem reparas no fato sujo a ficar amarrotado.
E eu já suspiro e tu já sussurras,
Enquanto me ajeito á curva do teu peito,
E me encaixo em ti,
E me faço tua…

Segue-me o cheiro, vem-me no encalço.
Diz que me amas, diz que me queres
Ou não digas nada,
Só me segue.

            Vem comigo, agora, porque a vida é curta…

Sem comentários:

Enviar um comentário