sonhando, escrevendo e imaginando

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Anjo da Guarda dele

Anjo da Guarda dele,
Toma conta dele por mim…
Porque está lá tão longe,
Está lá tão sozinho…
Demora um bocadinho por perto dele,
Ouve o que tem para dizer,
Porque comigo ele ainda não quer falar…
Vê o que podes fazer para ajudar.
Se é preciso ajuda,
Se basta conversar…
Faz o que puderes para o animar…
Ele merece,
Anjinho da Guarda…
Está a ser tão forte,
Está a lutar!...

Não deixes que ele fique triste,
Não deixes que esmoreça,
Que se perca…
Dá-lhe a mão,
Empresta-lhe o ombro,
Faz-lhe uma carícia no rosto.
Como as que eu fazia…
E ele gostava…
Só com meiguice,
Mais nada.
Sei que és um Anjo, não entendes de paixões…
Nem de desejos, nem de emoções…

Diz-lhe só que ele vai conseguir,
Diz-lhe ao ouvido como é inteligente…
Não te estou a ensinar o teu trabalho,
Anjo da Guarda dele,
É só que o conheço bem,
E sei que fica confuso sem ninguém,
E que estranhamente,
Porque apesar de ser o mais brilhante,
O mais maravilhoso também,
Precisa de apoio,
E de carinho…
Para sentir que vai correr tudo bem.

Manda-lhe um smille todos os dias de manhã,
Antes de ele ir trabalhar,
Como eu fazia antes de ele ir falar…
Manda-o através do céu,
Do firmamento ou das estrelas,
Faz com ele o veja e o sinta,
E o receba no coração como seu.
Segura-lhe na mão,
Diz-lhe que ficas á espera…
Não o deixes sozinho,
Não o deixes perdido.
Se eu pudesse, eu fazia…
Se ele me quisesse,
Eu dizia…
E acontecia,
Mas ele não me ouve…
Toma tu conta por mim,
Anjinho da Guarda dele.

Serena o seu espírito inquieto,
Acalma as suas tempestades sem fim,
Dissipa os seus fantasmas intrometidos…
São só medos antigos,
Mais nada, não têm valia.
Mostra-lhe o relógio da vida,
Fala-lhe do tempo que já perdeu,
Fala-lhe do dever que tem de ser feliz,
Por ele,
Que é maravilhoso,
Por mim que o amo tanto.
Fala-lhe do portanto,
Do ainda por cima,
Do nunca antes visto.
Diz-lhe que não fraqueje,
Não se arrependa,
Não me esqueça,
E não me ignore.

Ele que ajuda a todos,
Que acode a todos…
Anjinho da Guarda dele,
Mostra-lhe como se faz para ser feliz.
Porque ele não sabe,
E eu não tive tempo de lhe ensinar.
É aí que entram os teus poderes…
Ele não te pode desligar,
Bloquear,
Deixar-te offline o dia todo…
Nem fugir de te responder,
Nem optar por não te falar…

Mostra-lhe que está a ser teimoso,

Obstinado,
Mostra-lhe que o Paraíso pode ser encontrado,
Que as lições que ele me ensinou,
Também resultam nele próprio.
Não deixes que chore,
Não deixes que se sinta infeliz…
Anjinho da Guarda dele,
Esquece o que ele diz,
Porque vai tentar que desistas,
Que o deixes e sigas.
Não é o que ele quer,
Tu sabes, não acredites.
Fica, mesmo quando ele te virar as costas.
Dá-lhe a mão mesmo quando ele as guardar dentro dos bolsos…
Foi assim que eu fiz este tempo todo.
Não me arrependo.
Faço tudo de novo,
Só não chego mais perto porque a ponte que eu levantei
Para chegar até ele, foi sabotada e está quase em fosso…
E eu tenho medo que ele caia e se afogue,
Se eu o tirar do seu repouso,
Da sua letargia,
Do seu descanso precioso…

Vai Anjinho da Guarda dele,
Agora lá é de noite…
A esta hora ele deve estar sozinho,
Em frente ao computador
Perdido no mundo de dor,
Sem ver, sem perceber o que é o amor.
Vai, dá-lhe um beijo no rosto.
Compõe-lhe o cabelo desalinhado,
Dá-lhe um jeito nos óculos,
Senta-te um pouco ao seu lado.

            Homem complicado, eu estou aqui…

Sem comentários:

Enviar um comentário