sonhando, escrevendo e imaginando

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Dá-me um like...


Dá-me um like,
Põe-me um gosto…
Rouba-me para ti.
Leva-me no bolso.
Que eu até aposto
Que vamos ser muito felizes por aí,
Enquanto tu quiseres estar perto de mim.

Porque hoje estou num daqueles dias,
Em que me excita
Até o vento que me afaga o rosto.

Tenho alturas assim!
Em que a vida é mais cor de laranja,
E em que o céu fica azul mais garrido!
E sinto um apelo que me chama,
Um som primitivo de há muito tempo ido!
E o coração preso dentro do peito arranha,
E o corpo vibra com ânsia, estremecido.

Dá-me um like,
Põe-me um gosto…
Chega devagarinho,
Mexe em mim de mansinho,
E sussurra-me ao ouvido.
Da maneira que eu gosto.
Passa a tua língua devagar no meu rosto,
Faz o meu coração bater enlouquecido…

Ou chega depressa,
Como quem traz fome,
E encosta-me á parede,
E chama o meu nome.
E aperta-me a ti,
E levanta-me o vestido.
Ama-me sem maneiras,
Sem cortesias,
Nem educação…
Hoje não quero ser senhora,
Ou menina cheia de fantasias,
Hoje só quero sentir paixão.

Ou aconchega-me ao colo,
E faz-me uma caricia no cabelo…
E protege-me do frio,
E derrete o meu gelo…
Porque ás vezes estou a arder por fora,
Mas se me vires por dentro,
Estou coberta de neve e congelo.

Dá-me um like,
Põe-me um gosto…
Não te assustes comigo.
Não mordo,
Não arranho,
Nem agarrar-te á força consigo.

Dá-me um like,
Põe-me um gosto…
Porque hoje estou num daqueles dias,
Em que se um estranho me desafia,
Se me convida,
Se me sorri…
Nem sei que te diga…
Hoje sou fêmea solta no cio
Do deserto que é a vida.

E deitar-me com o mar é pouco,
O mar não me consegue abraçar,
Aquecer,
Nem beijar.

E fazer amor com a areia também não chega…
A areia é fria,
Escorrega,
Não sabe como me segurar…

E perder-me nos braços do vento
Que teima em soprar,
É insuficiente,
Não me basta,
Não me faz acalmar…
O vento só encosta,
Nunca chega a entrar…

E hoje queria tanto alguém para amar!

Dá-me um like,
Põe-me um gosto…
Olha eu aqui,
Bonita,
Sozinha,
Gostosa,
Cansada de esperar…

Porque não há nada que me espere
Do outro lado
Quando eu chegar.
Nem há ninguém em quem encoste os meus olhos
E me deixe chorar.

Dá-me um like,
Põe-me um gosto…

            seja lá qual for o teu rosto desta vez… o que interessa, se acaba sempre por já não ser…




2 comentários:

  1. Um poema para se apaixonar.
    A tua poesia, na alma que confidencia ... o amor, a sensibilidade, o cheiro de odores do seu corpo, a vontade ..... Revelando sua sensualidade de mulher adulta.
    Um abraço amigo de quem adorou este teu poema.

    ResponderEliminar
  2. Obrigada, palapala
    Que bom que gostaste! Ele há dias em que estamos mais assim... mais vivos.
    Abraço e beijinho amigo para ti!

    ResponderEliminar