sonhando, escrevendo e imaginando

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Senhor de todos os sonhos...


Tudo tem o seu preço.
Eu sei,
Mas às vezes esqueço.
Quanto custa,
Quanto te devo?

Apanhaste-me numa má altura…
Desprevenida,
A contas com a vida…

Mas vamos pôr a escrita em dia…

Quanto por cada sorriso?
E o que cobras pela frescura de uma fantasia?
O que me levas por uma caricia,
Qual o preço de uma miragem
Se a tiver a meio da viagem?

Sou má a negociar,
Não sei regatear…
Pago o que mandares buscar…
Sou diferente de ti,
Diferente de quase toda a gente…
Sou como o sol quente,
Dou de graça, sem nada cobrar.

Quanto te devo
Por cada sonho que me deixaste sonhar?
Apesar
De cada um deles depois acabar…

Não chega já,
Não estás cansado de brincar?
De mover as peças no teu tabuleiro de xadrez,
De ficar de lado a apreciar?

Vergonha para ti que és mau,
Que te ris quando estou a chorar…

E eu gostava de ti,
Bem feito, deixei de gostar!

Cede-me um beijo,
Empresta-me um abraço,
Colo gostoso para deitar…
Ombro aonde encostar…
Serve ter coisas para trocar?
É uma forma de pagar…

Eu pago em esperança,
Eu pago em alegria,
Em não deixar de acreditar.
Pago em risos,
Com a magia simples de cada dia a começar.

Fico com menos cor-de-laranja para mim,
Mas… negócios são mesmo assim…

Tudo tem o seu preço.

Eu sei,
Mas às vezes esqueço.
Quanto custa,
Quanto te devo?

Manda recolher os homens de fraque,
Pára de me fazer chorar.
Estás-me a assustar…

Quanto tempo ainda demora a minha conta a saldar?


2 comentários:

  1. Como e lindo o que li de Ti. Um abraco amigo de quem tenho um enorme carinho

    ResponderEliminar
  2. Obrigada! Um abraço amigo também, e um beijinho!

    ResponderEliminar