sonhando, escrevendo e imaginando

domingo, 28 de outubro de 2012

Portei-me bem...


Guardei dentro da algibeira…

Pisei a relva, falei com estranhos,
Mas o papel não,
Não deitei no chão…
Guardei dentro da algibeira.
Beijinho, papá… mereço.
Fui uma linda menina!

Quanto ao resto,
Desculpa…
Um desastre.

Sem controlo,
Sem juízo
Eu sei…
Ela previu,
Ela viu…
Mas não foste tu que erraste,
O mundo é que me seduziu…

Ou fui eu que me apaixonei pelo mundo,
Que namorei com a vida…
E tu avisaste,
Eu sei…
Nunca me deixaste
Acreditar no que sempre acreditei.

Carinhos,
ternuras,
Sentimentos pequeninos,
Vãs loucuras…
Tu dizias que ninguém valia
Mais do que um pensamento.
Pensei que estavas errado,
E que por isso vivias em tormento…
Acreditei que o que valia era o momento.

Mas o papel,
Guardei na algibeira.
Guardei comigo o lixo de uma vida inteira…,
Mas não deitei no chão…
Fui bem educada,
Não falei alto,
Não gritei,
Não fui desenvergonhada…
Beijinho, papá… mereço.
Fui uma linda menina.

Podes ficar descansado…
O mal que fiz foi sempre só a mim,
Não te deixei envergonhado.

Põe o chapéu…
Abotoa o casaco,
Pega-me na mão
Leva-me contigo a qualquer lado…

Tenho saudades de quando éramos os dois contra o mundo.

2 comentários:

  1. "Põe o chapéu…
    Abotoa o casaco,
    Pega-me na mão
    Leva-me contigo a qualquer lado…


    Tenho saudades de quando éramos os dois contra o mundo."
    Lindo, eu diria mais, sortilégios de quem namora o mundo... bjinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Henrique
      E quem namora o mundo, por muito que peque, e cometa sortilégio, tem direito a perdão, não tem, Henrique? O que fazemos enquanto enamorados é considerado acto de amor... tem que ser. Obrigada pelo comentário! Beijinho grande para ti, da menina bonita

      Eliminar