sonhando, escrevendo e imaginando

domingo, 9 de dezembro de 2012

Nada, nada te faz recuar


Não penses que não te ouço,
A ti que falas enquanto vivo…

Não julgues que não me apoquentas,
Que não sinto quando me atormentas…

Não creias que não dou por ti,
Por baixo da roupa,
Por dentro do peito,
A invadir com dedos frios o quente do meu leito…

Ouço-te mesmo quando o mundo está em silêncio…
Torturas-me ainda que eu sorria como se estivesse a gozar…
E pões-te fundo em mim, quando tento em vão gostar…

Fujo.

Passo a vida a fugir,
Mas tu corres mais do que eu
E chegas á frente…
Não sei como consegues fazer,
Sempre adivinhas aonde me vou esconder…

Tanto faz se sigo na multidão esfuziante de alegria,
Ou se olho a calmaria do mar deserto.
Tanto faz se trepo á montanha mais fria,
Ou se me perco num abrasador bar cheio de calor…

Não existem vinhos tão fortes que beba que te consigam anular,
Nem fumos de êxtase que cheguem para te fazer recuar.
Nunca gemi de prazer gostoso o bastante para te calar…

Noitadas sempre acabam nas madrugadas…
Estradas não passam nunca só de estradas…
Todas as ruas são pedras inacabadas…

Beijos e caricias, gestos peganhentos
Que te deixam com uma fúria mais assanhada.

E palavras ardentes são sons que fazem as gentes
Quando não conseguem dizer mais nada.

Tu estás sempre presente.

Boca que fala quando está calada.
Som que não se explica por nenhuma ciência.
Terrível e pesada,
Voz da minha consciência.

4 comentários:

  1. Lindo,Glória!!! Adorei, tens um excelente Dom para a escrita!
    Nunca pares...um dia irás publicar um livro,se for esse o teu desejo, claro...mas talento tens!
    Parabéns,gostei muito.
    Luís Parente Oliveira

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Luis! Um dia, quem sabe? A vida dá tantas voltas, coisas muito lindas pode sempre acontecer! beijinhos, fico feliz por teres gostado!

      Eliminar
  2. Boca que fala quando está calada.
    Som que não se explica por nenhuma ciência.
    Terrível e pesada,
    Voz da minha consciência.

    Aqui está o gato ou a gata , bem esgalhado...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Henrique! Aí está o busílis da coisa, pois está:))) Aquela vozinha incomodativa, que adora intrometer-se em todas as alturas da nossa vida... Beijinhos para ti, obrigada!

      Eliminar