sonhando, escrevendo e imaginando

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Sempre me olharam


Não sei…
Sempre esteve comigo…
Marca de nascença ou cicatriz.

Olham.
Sempre me olharam.
Não importa a roupa,
Ou a falta dela,
Não importa o que faça…

Só me olham.
Sempre me olharam.

E notam quando entro,
Sempre me notaram.

E não sou assim tão bonita,
E não sou fora do vulgar.

Só sei que respiro como vivo,
E isso nota-se no meu jeito de andar.

Não ponhas musica no caminhar…
Não, mãe, não é por isso…

É no cheiro que fica no ar.
É na promessa velada do olhar.

Disfarçada de mulher…
Doce que dá vontade de comer,
Menina que apetece proteger…

África escandalosa na minha forma de ser.

Sentem,
Porque eu sei que sentem
Que eu trago tempestades roubadas ao mar.

Até na forma como inclino a cabeça,
Até na maneira que gosto de sentar…

Sentem-me o sangue a escaldar.

Talvez porque eu não tenho medo.
Talvez porque não faço segredo,
Do prazer que tenho em gostar.

E isso quem sabe?
Talvez se adivinhe quando vou a passar…

4 comentários:

  1. Gostei menininha, muito sensual, apetitosamente escrita... "Talvez porque eu não tenho medo.
    Talvez porque não faço segredo,
    Do prazer que tenho em gostar.


    E isso quem sabe?
    Talvez se adivinhe quando vou a passar…"

    ... e não é qu8e se adivinha mesmo... bjinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tu adivinhas porque és meu amigo querido:)) Obrigada, Henrique! Fico sempre muito contente por gostares dos meus escritos. Beijinho grande para ti, da menina bonita.

      Eliminar
  2. Olá Glória!
    Olha,não sei,mas este tinha me "escapado"!!!
    Terá sido por isso, que estou com a sensação que este talvez seja dos que mais gostei??? Não sei!!! Só sei que adorei!!!
    L.P.O.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem que o encontraste então, Luis:) É... saiu-me jeitosinho, é verdade:)) Beijinho grande para ti! Obrigada!

      Eliminar