sonhando, escrevendo e imaginando

sábado, 11 de maio de 2013

Eu não quero morrer velhinha


Eu não quero partir muito tarde.
Não quero morrer velhinha.

Não quero que me ponham na janela a ver o mundo passar,
A espreitar as ruas aonde fui rainha,
A recordar uma vida que foi minha.

Não quero olhar o sol através de vidros fechados.
E queimar com o seu ardor,
Mas não poder tocar no calor.

E não quero ouvir o tique-taque das horas a passarem devagar.
E sentir o barulho que fazem os dias a rolar.
Nem que me dêem comer por uma palhinha
Nem que me digam porte-se como uma linda menina…

Não quero os olhares de piedade
De enfado ou de cansaço.
Quero ser livre em qualquer idade.
Quero ser dona de qualquer abraço.
E por cada lugar que passo
Deixar uma flor para depois levar no meu regaço.

Eu não quero partir muito tarde.
Não quero morrer velhinha.

Nem quero que me vistam de trapos esfarrapados,
Porque já não tenho força para remendá-los.
Nem que me calcem de chinelos porque me incham os tornozelos

Não.
Prefiro ir enquanto puder levar lembranças gostosas da vida.
Prefiro ir enquanto vou recordar o sol, o vento, o mar.
Antes quero ir enquanto me sabe bem ficar.

Por isso não me chores,
Não me lamentes
Se ela me vier buscar.
Talvez seja uma escolha minha…

Eu não quero morrer velhinha.

2 comentários:

  1. Deixa DEUS decidir, ELE sabe quando!
    Bjinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabe sim, Henrique... mas eu sou terrível:)) tenho sempre esperança de poder influenciar... Beijinho para ti da menina bonita. Obrigada!

      Eliminar