sonhando, escrevendo e imaginando

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Vou acabar por me constipar...:))

Adoro as pessoas que saem mesmo quando chove!

Só se não chover…
Se o tempo estiver bom…

E eu de nariz colado na janela,
A avaliar…
A ver o céu a mudar…

Nossa Senhora da Conceição, faça sol e chuva não!
Nossa Senhora da Meia-Lua faça sol que eu quero ir para a rua!

Como um mantra cantado de coração.

Às vezes fazia sol, outras não...

E se chovia, ninguém saía.

Lá se ia o Dragão de Ouro,
Os gelados no Scala…
A voltinha da Marginal…

Adoro as pessoas que saem mesmo quando chove!

Um dia quando eu for grande, quando eu crescer,
Eles vão ver!
Saio sempre que me der na gana,
Saio mesmo que esteja a chover!

Assim tenho vivido a fazer.

Amo de paixão os resistentes como eu, que encostam os carros,
Tiram as toalhas e as lancheiras cá para fora.
E carregam o guarda-sol num grito descarado de desafio à chuva,
Encarando de peito aberto a escuridão.
Vem! Não me estragas o dia, não!

Não sou a única que sai quando chove.
E que acredita que mesmo sem sol se pode ver o mar…

Menina que choras porque não foste passear,
Não fiques triste,
Um dia eu vou-te buscar.

Um dia pego na tua mão, quer faça sol, quer não,
E por muito que chova,
Trago-te para sair, no meu coração.

Tanta chuva que é precisa atravessar!...

Já sei, mamã… vou acabar por me constipar….:))

6 comentários:

  1. Eu não chateio com chuva... frio é que não!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Frio é que não mesmo, São:)) Frio estraga qualquer passeio ao ar livre... e dura tantos meses!!
      Beijinhos!

      Eliminar
  2. Um bom casaco, guarda-chuva, e...rua

    Estar em casa aborrece e faz rugas

    Fique feliz.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Toda a razão, Ricardo! Sair e ver a rua, as pessoas, o movimento, faz muito bem à alma. Nem que seja só um bocadinho, mas sair precisa-se!
      Obrigada! Beijinhos

      Eliminar
  3. Já sei, mamã… vou acabar por me constipar….:))

    ahahahahaahah bjinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era o que ela me dizia sempre, Henrique:) Na altura detestava. Agora, quem me dera ouvi-la outra vez... Quando somos novitos, não damos grande importância aos afectos. Parece que são um direito adquirido. A gente cresce, e descobre que não é bem assim.
      Beijinho grande para ti. Obrigada pelo comentário!

      Eliminar