sonhando, escrevendo e imaginando

segunda-feira, 15 de julho de 2013

Como um troféu

Como um troféu.

Que se ergue, que se mostra
Como símbolo da conquista.

Uma medalha,
Ou uma taça… um prémio.

A prova de que afinal não havia pecado.
Inocente de tudo o que era pensado.

Não gosto.

Gosto de brilhar.
E gosto de ser vista,
Porque sou vaidosa, às vezes tola, ás vezes arisca…

Mas não gosto de ser exibida.
Nem mostrada,
Muito menos usada.

Tudo que parece bom demais para ser verdade,
Quase sempre é bom demais para ser verdade.
E tudo o que é exagerado,
Costuma ser falso, mentiroso e inventado.

Sentimentos não são gigantes que se vangloriam.
Bem-querer não é algo de que nos gabemos todo o dia.

Amor é sem razão,
Sem planos.
Paixão é a qualquer hora,
Mesmo que fora do palco da vida.
Mesmo que sem ninguém para olhar e comentar.

E o que fazemos quando gostamos de alguém,
Fazemos porque sabe bem.
Não nos lembramos depois,
Nem apresentamos facturas que não se conseguem pagar.

Cada qual tem o seu jeito de amar…

Mas há quem busque algo que não tem nome para chamar.
E há quem procure por coisas que não está na mão de ninguém dar.

A vida é como um jogo de que nem sempre sabemos as regras.
Entre duas pessoas adultas não tem que haver limites, nem barreiras.
Mas é preciso que os dois vejam o jogo da mesma maneira.

E é preciso que os dois queiram jogar.

6 comentários:

  1. Concordo plenamente com o texto.Gostei!

    Beijo
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Cidalia! Fico muito contente por teres gostado! Beijinho para ti, e uma noite feliz

      Eliminar
  2. ...bom uso dos itálicos :)
    as duas "metades" do poema não jogam, constatada a 1ª parte a 2ª deixa de fazer sentido (é um outro poema) :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa noite, FM
      Aonde termina a primeira parte do poema... no "Cada qual tem o seu jeito de amar…"?
      Acho que essa é a tentativa de argumentação da outra parte. Assim como se estivesse a explicar o porquê. E depois, é a resposta.
      Beijinho para ti! Obrigada pelo comentário!

      Eliminar
  3. E é preciso que os dois queiram jogar.

    Evidentemente, perebi onde queres ir... bjinhos muitos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Henrique, boa noite:)
      Pois... quando um não quer, dois não dançam o tango, já o meu pai dizia:) Impossível querermos que alguém faça o que não quer fazer, e ainda esperarmos que o faça de boa vontade.
      Obrigada! Beijinho grande para ti, da menina bonita:)

      Eliminar