sonhando, escrevendo e imaginando

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

"Madrugada sem fim"...

Suspirou.
Um suspiro misto de ternura e desejo…
E ele olhou-a com olhos de quem tem a fome do mundo dentro do peito.

Ela suspirou como se fosse tomar a vida no colo,
Como se fosse entregar o coração junto com o corpo.

Mãos sôfregas…
O obstáculo da roupa…
Sempre que a tomava, ele ardia em pressa…

Os olhos dela eram lá longe,
E o pensamento voava nas nuvens de um céu em fogo…

O peito arfava.

Cedeu,
Ele sentiu que ela cedeu,
Quando o recebeu.
Quando húmida se deu.

Estava á procura, ela vivia á procura,
Sem sair do lugar.

Amar…
O que é amar?
Seja o que for, amar é querer amor.

Quando ele a abraçou
E a aconchegou, cansado, ao peito,
Ela refugiou-se nele como gaivota num rochedo.

Pegou-lhe na mão e apertou,
Sentia-se tão sozinha, com tanto medo!
Lá fora a madrugada desenrolava-se em segredo.

Ele desviou os olhos encadeados pela luz do sol.
E a imagem dela desfez-se na bruma do fim sabe-se lá de quê.

Ele não sabia que fizera amor com uma estrela do céu.
Mas sabia que ela se dava como uma bacante louca, envolta em timidez.

Fugiu outra vez.

O lugar dela na cama estava quente, e o lençol molhado.
Ele sorriu orgulhoso, sem saber que ela tinha chorado.

Madrugada sem fim…
É a noite que não termina, ou é o dia que não começa?...


quarta-feira, 23 de outubro de 2013

A alma a sorrir…

Ser feliz é um estado de alma.
Estar feliz é obra de um momento.
Sou feliz.
Estou tão feliz!

Alegre,
Divertida,
Isso quase sempre fui.

Esperançosa,
Optimista,
Corajosa…

Mas feliz não tinha ainda sido.

Horas,
Minutos de felicidade,
Cheguei a ter.

Mas feliz de manhã á noite
E no dia seguinte,
E no dia a seguir a este dia…
Não sabia que podia acontecer.

Acordar de noite com a certeza gostosa de que está tudo bem.
E levantar de manhã com o coração a cantar,
A alma a sorrir…
Nem imaginava que pudesse existir!

Estou feliz.

Uma rosa branca para ti, papá.
Uma rosa branca para ti, mamã.
Vocês estavam enganados os dois,
Bem me queria parecer.

O mundo pode ser um lugar delicioso para se viver.
Somos felizes quando acreditamos que o podemos ser.

De vez em quando a tristeza vem ainda ter comigo,
Naquele toque lascivo de caso antigo.
Com os seus dedos trementes de prazer e agonia.
E por breves momentos quase me tento a ir na sua companhia.
Mas orgasmo chorado sei que não demora, e mando a tristeza embora.

Não é que seja cor de laranja o tempo todo,
Mas é verde esperança a quase toda a hora.

Mamã, podias ser uma velhinha feliz agora…
Se ao menos tivesses notado o arco-íris…esteve sempre lá fora.