sonhando, escrevendo e imaginando

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

O que arde cura...

Sal nas minhas feridas…

Eu rio e tu vês os meus olhos a brilhar.
Não sabes mas tenho vontade de chorar.
Ardem-me cicatrizes antigas…
Obscenas velhas amigas…

Afagas-me e eu suspiro.
A tua mão incendeia lembranças perdidas.

Vejo tantas sombras e escuto tantos ruídos enquanto te olho calmamente…
E sinto a cabeça a perder-se no vazio a cada instante.

Sal nas minhas feridas…

De noite quando te sinto quente dentro de mim…
Tanto medo!
De que percebas, de que me desvendes…

Paz…
Queres paz.
E eu sou uma miséria de guerra e de dor.
Não tenho mais para ti, a não ser o meu amor.

Tão tranquilo é o teu dormir…
Tão tormentoso é o meu velar…

Não acordes agora.
Deixa que eu me dilua no silêncio do nosso quarto.
Deixa que me iluda e me sinta como quase normal.
Só assim, sem sombra de mal.

Um pouquinho mais…

És como sal nas minhas feridas…
 O que arde cura.

Dentro do meu peito, loucura pura.

4 comentários:

  1. SIMPLESMENTE - - - ADOREI - - - BJS.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Álvaro. Fico muito contente em saber.
      Um beijinho para ti, com tudo a correr muito bem sempre.

      Eliminar