sonhando, escrevendo e imaginando

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Sei lá

Mas então e porquê?
Sei lá…
Porque o rio corre deitado.
Porque é coisa de sol viver iluminado.
Porque um sorriso é um beijo disfarçado.

Não sei porquê.

Espírito cansado.
Ou desinteressado.

É só o que sei.

E falou-me de objectivos…
Objectivos… é preciso
Como algo tão palpável e tão definido?
Como, se até as paredes de casa
Parecem braços para me sufocar?

Porquê?
Sei lá…

Cresci gente grande, quando ainda era pequenina.
Cresci erva daninha que se cria sozinha.

Sair, sair daqui…
Ir ao outro lado do mundo.
Ir.
Passar o arco-íris….
Eu sei que tem que existir!

Às vezes não acredito em nada.
Ou não consigo acreditar.
Comigo só esta mágoa,
Dói tanto,
Que não consigo explicar!

Porquê?
Não sei…
Sei lá….

Pelo menos na rua…
Por aí…

Deitar-me a perder a andar!!

2 comentários:

  1. Olá Glorinha! Porquê? Porque as palavras dos teus poemas tocam e fazem estremecer e esta humanidade precisa de um abanão. Porquê? Sei lá! Talvez o respeito pelo próxima seja cada vez menor e então vale tudo. Porquê......
    Deixas-me a pensar, o que é bom para um jovem de 62. Sou grato! Bjns.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Quim! Obrigada pelo teu comentário. Fico muito feliz por saber que gostaste, e por saber que consigo deixar-te a pensar. Somos sempre jovens enquanto temos a capacidade de nos deixarmos surpreender e interessar. A velhice, eu acho, não está no calendário dos anos da nossa vida, está na permeabilidade, ou não, do nosso coração. E o teu coração, quer-me parecer, ainda é bastante jovem:)
      Beijinhos, e obrigada mais uma vez!

      Eliminar