sonhando, escrevendo e imaginando

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Alone in the park

Alone in the park.
Nenhuma alma por perto.
Estacionamento deserto.
Fim de Verão,
Fim de estação.

Alone in the park.
Todos os lugares meus agora.
Todos, a qualquer hora.
Ninguém para disputar aonde estacionar.

Alone in the park.
Que fazer dessa sensação,
Dessa solidão?
É como privação.
Tecto do mundo perto da mão.
Descapotável parado a travão.

Alone in the park.
Passa tempo, passa…
Volta sol, volta…
Saudades das enchentes e dos risos.
Saudades dos bikinis bonitos.

Saudades, tantas!
Todos os anos é assim…
O calor vai embora de mim.
Deixa-me sem esconderijo,
Tira-me o chão.

Poder ficar, posso.
Mas não é igual.
Alone in the park.
Deserto o meu areal!
Fica tão cinzento este Portugal!

Do outro lado do mar…


Eu estive numa praia de areia cor de lama…
E foi o mais perto que estive de casa, desde que fugi...


Sem comentários:

Enviar um comentário