Meninos de mama, à procura da mãe

Não mais papeis!
Não mais isto é o que fareis!

Não há caldeirão eterno em chama.
Só há calor que chama.

Não existem harpas também.
Nem…
Nem.

Está tudo aonde sempre esteve.
Sempre.
Desde os tempos primeiros.
Aonde sempre estará.
Debaixo da pele, enfiado na carne.

Inferno,
Céu,
Paraíso…

Tudo está em nós contido.
Contigo,
Comigo…

Informações antigas,
Recados de outras vidas.
Lembranças.
Doces esperanças.

Bem-aventurados os que acreditam.
Desgraçados os que não sabem crer.

Ninguém a nos condenar,
Ninguém a nos absolver.
Só a nossa consciência.
Só ela!
Velha meretriz batida nos becos sem saída…

Castigo,
Recompensa…
Masturbação gostosa,
Castração horrorosa.

Somos sós, nós.
Tão sozinhos nós!
Perdidos no que criámos,
Inventámos.

Ranhosos e pequeninos.

Meninos de mama à procura da mãe.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Vamos aquecer o sol"

Não sei valsar devagar

Desilusões, somos desilusões