sonhando, escrevendo e imaginando

quinta-feira, 11 de junho de 2015

Esqueceste, esqueceste o meu nome...

Tu esqueceste o meu nome
E eu trouxe-te aqui para to lembrar…

Olha esse céu…

Esqueceste o meu nome.

Chamo-me sol a brilhar.
Sou uma estrela-do-mar.

Sente…
Sente para recordar.

Fecha os olhos,
A areia a escaldar…

Lembra…
Lembra!

A sétima onda vai-nos levar.
Do outro lado África a queimar.

Como me chamo eu?

Quem me fez chorar?
Quem foi embora sem me levar?
Como vim aqui parar?

Tu esqueceste.
Esqueceste o meu nome.

Dei-te tantos nomes que não os conseguiste guardar…

Quem era eu antes de me inventar?
Trouxe-te aqui para sozinha me lembrar.


2 comentários:

  1. Alguém, um dia, o vai recordar
    nos sussurros de uma briza escaldante
    escrito na ténue espuma do mar
    por paixão ardente e assaz palpitante

    J.A.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode ser que sim, J.A., pode ser que sim. Vivemos nas recordações que deixamos. Beijinhos e obrigada pelo comentário.

      Eliminar