Sem rede, é assim que é suposto ser


Sorriso de hoje igual ao de ontem.
Mais um passo e estás lá.
Dobra só mais esta esquina.
Marcas no chão tão parecidas com as de então…
Vai, segue, caminha!
Era assim que se fazia.
Não. Que se faz.
Acontecia...
Porquê?
Sim, porque é.
Mas vai, vai sempre!
Nem sabes nem eu sabia...
Eles tão pouco.
Era como se vivia...
E se não me apetecer?
Tanto pior para ti.
Ninguém quer nem saber.
Continua-te a mover.
Embora, não tenho todo o dia.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Espelhos da alma- Oferece se fores ajudar

Contaram-me todas as coisas

O cantinho da velha