sonhando, escrevendo e imaginando

sexta-feira, 24 de março de 2017

O cantinho da velha


Tu,
Que estás aí,
Agachada num canto escuro da minha mente.

Tu,
Que vestes farrapos,
E tens unhas como garras, e cabelos brancos desgrenhados.

Tu,
Que tens medo,
E te sentes assustada e sozinha.

Vem.

Não te faço mal.

Quero agradecer-te por todos estes anos
Em que cuidaste de mim.

Ficaste coberta de feridas sanguinolentas,
E marcada por cicatrizes enquanto me defendias.

Que importa se eram só ilusões,
Se conspiravas fantasias?

Obrigada.

Não sei se sou capaz de viver sem ti.
Não sei.

Mas vou tentar.

Um dia deixei-me sentada e pequenina,
E fiquei à espera de me ir buscar.

Hoje solto-te da mão,
Mas levo-te no meu andar.

Reunir todas três,
Quem sabe?...
Eu nela, em ti e em mim.

Sou-te demais para me abandonar. 


Sem comentários:

Enviar um comentário