sonhando, escrevendo e imaginando

domingo, 23 de abril de 2017

Contaram-me todas as coisas



Já alguma vez se sentiram assim,
Tristes, tão tristes?

Já alguma vez quiseram fechar os olhos e apenas desaparecer?
Já?...

Eu sim.
Muitas vezes.

Nalguns dias da vida nem o sol parece ser um convite.
Nem o calor da rua aquece os membros gelados.

E lá vem a cantiga lamecha de sempre…
Faz tanta falta ter aonde encostar a cabeça.
Alguém que não cobre,
Que não peça.
Que não queira nada.

Mais triste ainda é saber que não é assim.
Não existe ninguém que se possa sobrepor a mim.

E a certeza de que as ilusões eram apenas isso, ilusões
Aumenta a solidão, e salga a tristeza.

Saber é como por sal numa ferida.

Dantes pelo menos acreditava fantasias,
E príncipes encantados,
E castelos dourados.

Agora…
Agora só estou triste.

O poeta disse “Porque contam coisas às criancinhas?”
Eu, na minha pequenez tacanha de alguém que viveu a sonhar, digo

Porque não contam todas as coisas às criancinhas?
Mas a mim contaram-me…
Todas elas.
Eu é que nunca quis ouvir.

Mea culpa.

Estou triste.
Tão triste.

2 comentários:

  1. Fico mesmo a pensar se no mundo animal há amores à primeira vista, ou discussão do relacionamento, traição, dar um tempo... talvez o melhor mesmo seja nada saber, nem mesmo a data do 1o encontro ...rs ( se felizes ou não, não saberia dizer ). Bjs, linda !

    ResponderEliminar
  2. Olá, Eduardo
    Sabes que também penso nisso muitas vezes? Nós, humanos, é que temos a maldição do raciocínio, e complicamos sempre tudo. Nada saber pode ser a solução :) Como dizia uma canção famosa dos anos 80 "To the heart and mind, ignorance is kind".
    Beijinho para ti também, e obrigada pelo teu comentário

    ResponderEliminar