sonhando, escrevendo e imaginando

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Bela porcaria



- Já te disse! Responde-me!
E ela encolhia-se perante uma ira que não conseguia aplacar.
- Quem te fez mal? O que se passou?
Como explicar?
Ninguém lhe tinha feito mal.
Ou se sim, era um mal tão antigo que não lembrava mais.
Talvez ainda no outro lado do tempo.
O que se tinha passado?
Sabia lá.
Era assim.
Porque é que ninguém a aceitava assim?
Queriam saber sempre porquê, porque não.
- Vamos! Então?
Então nada.
Permanecia calada.
Dos outros tudo acatava,
Recebia-os tal como vinham.
Nunca forçava ninguém a ser o que não era.
Com ela…
Pois, está bem.
- Eu vou. Não tenho paciência.
Tudo porque ela chorara…
Também, porque chorara?
Devia saber.
Lágrimas angustiam quem as vê.
Chorara.
Porque chorara?
Era assim.
Ela era assim.
Deixa-o ir.
Para que o havia de querer,
Se nem chorar podia?
Todos iguais.
Bela porcaria.


Sem comentários:

Enviar um comentário