Mensagens

A mostrar mensagens de Agosto, 2018

Caixa de Pandora, pain is all you find

Imagem
Passei por um jardim aonde estava um velho, aonde estava um menino. Gostei. Fiquei mais um bocadinho. O jardim afinal era mato. O velho um tarado, e o menino um pedinte disfarçado. Foi-se a beleza, foi-se a poesia.
Não fora eu ter parado… Guardava comigo o brilho do jardim, com um velho, com um menino. Se não tivesse espreitado por debaixo do véu… Podia ter conservado a magia das primeiras impressões. O sabor inocente de quando tudo é novidade e bonito. E levava no peito um fim de tarde tranquilo com pombos e pardais,  avozinhos e netinhos… Com sei lá que mais… O mal está em desvendar aquilo de que gostamos.

Cheguei a Casa

Imagem
Quando sinto o cheiro familiar do pó sei que cheguei a casa. Às vezes engano-me, confesso que sim. E deixo-me tentar pela ilusão das aparências, é certo. Mea culpa. Minha tão grande culpa…
Às vezes sigo embalada no deslizar do rio que finge calmarias. E dou por mim a apreciar a falta de vagas, A inventar uma costa à vista. Ridículo, não é?! Assim sou eu…. Os anos passaram e esculpiram em mim escarpas e deixaram danos. Mas continuo como antes… Crente. Quase inocente.
Em quantas ocasiões a minha mão estendida se retrai na certeza do nada que está por vir! E com que frequência o meu coração retalhado bate mais forte ao compasso de algumas danças… Pobre, Pobre de mim!
As estradas surgem cobertas de silvas e espinhos. Os meus pés esfolam-se na aridez do caminho. Falta-me o tino que orienta os caminhantes nas pradarias. Tudo se assemelha perante os meus olhos vermelhos de chorar. Apetece parar. Desistir de tanto buscar….
E aí sinto o cheiro familiar do pó e sei que cheguei a casa. Pó e um não sei quê de bafio, Pó e …

"A alma que é livre vai. O corpo que é escravo fica."

Imagem
O chicote estala. O homem grita. Corre espessa golfada de sangue. Sangue escuro de flagelado.
No final o sofrimento cessa. Cessa. No final o sofrimento passa. Passa.
Não mais ais. Nem rios escarlates correndo escandalosos a céu aberto.
O mundo ausenta-se do pobre moribundo. Julgam-no morto. A chibata aquieta-se… Bater para quê?
Mas o pulso estremece e o desgraçado suspira. O corpo é sábio. A dor liga e desliga. Os homens não têm piedade nem sentimentos, mas a natureza cuida das suas crias.
Quem nos limpa a transpiração? Quem nos lambe as feridas?
Vinagre e sal numa esponja embebida…
O chicote vem de novo a beijar a pele. Os vergões antigos são tições negros que ardem devagar.
Quantas vergastadas mais antes de alguém se render?
O corpo geme e estrebucha. Agoniza a pobre carne pecadora. Uma só palavra e será salvo o condenado…
Piedade, Piedade, meu Senhor!

A não ser escrever...

Imagem
Não sei que mais possa fazer, a não ser escrever. Quando estou triste assim, não sei que mais possa fazer. Chorar é pouco, e as lágrimas sabem a mágoa acrescida. Murmurar e balbuciar palavras indistintas não ajuda em nada. É tristeza pura. Tristeza na sua essência. Só tristeza.
Não sei que mais possa fazer, a não ser escrever. E escrever é pouco também, e as letras não abraçam, nem consolam. Quanta mágoa cabe dentro do peito? Quanta pena se suporta? Tanto tempo, tantos dias, tantos anos! Dores vindas de séculos, dores trazidas do outro lado do mundo. Crónicas de família, álbuns de sal e fel.
Quem me dera, ah quem me dera! Se eu pudera!... Voltar a menina outra vez… Não a que brinca com bonecas e carrinhos, mas aquela ainda por ser. Enrolar o cordão em redor do pescoço franzino, Apertar devagarinho e não querer nascer.
Não sei que mais possa fazer, a não ser escrever. Estou muito triste. Como é possível que olhem para mim sem perceber? E riem-me, e sorriem-me, e gabam-me o bom parecer…
Vejam-me bem! Sou fantas…

Pequenas Liberdades

Imagem
Todas as nossas pequenas liberdades eram preciosas… Porque eram liberdades poder correr de vez em quando. Porque eram liberdades conseguir dar a volta ao pátio lá fora. E que bem que sabia brincar às escondidas no restaurante enquanto eles almoçavam!...
Livres do espartilho dos olhares, Livres do apertado das censuras e dos esgares disfarçados…
Melhor do que passear era  sermos quase parecidas aos demais meninos da rua. Mais do que os cozinhados inusitados eram deliciosos os segredos de cada riso, de cada tropelia!... Para depois ficavam os comentários azedos que a nossa conduta sempre merecia. Para mais tarde ficavam as recriminações e os abanares zangados da cabeça. Valia bem a pena! Ah, se valia! Como valia!
Ninguém sabia que esses eram os nossos momentos dourados...
Hoje já muito longe dessas vitórias de menina, Do alto dos meus cinquenta e mais um anos Continuo a saborear as pequenas liberdades da vida.
Liberdades que ainda são preciosas. Instantes em que os narizes torcidos do mundo me deixam em …